Home Notícias Economista avalia cenário econômico para 2019

Economista avalia cenário econômico para 2019

Featured Video Play Icon

O ano de 2019 está apenas iniciando mas já começa com grandes expectativas para o cenário econômico tanto para o nível nacional quanto para o nível internacional. O Bom Dia Maranhão, junto com o economista Felipe de Holanda  fez um balanço sobre os resultados de 2018 e os impactos deles na economia deste novo ano.

Para o economista, 2019 promete ser um ano complicado com a guerra comercial entre China e EUA devem afetar países como o Brasil. “A gente ver a guerra comercial. EUA e China houve uma pequena trégua agora, mas a gente ver o direcionamento da administração do Trump é no sentido de continuar e a China responder. A China já está sentindo os efeitos sobre as expectativas, os investimentos e a gente percebe ali uma diminuição preocupante da atividade econômica; um impacto sobre os países emergentes. E nos EUA há um crescimento econômico, um desemprego mínimo histórico, mas, digamos assim, com bases em políticas em estímulos fiscais que são inflacionários e ao mesmo tempo colocam o país numa rota de complicação econômica mais à  frente. Então, vai ser um ano com um cenário financeiro mais complicado” disse Felipe de Holanda.

Sobre a aproximação do Governo do Brasil com os EUA, o economista também fez uma leitura sobre os impactos econômicos desse contato.” O Brasil nunca teve alinhamento automático com os EUA, pelo tamanho do seu mercado interno e, inclusive, pela sua posição de exportador de produtos que os EUA também exportam […] ao invés de estar aproveitando oportunidades que aparecem, por causa do contencioso comercial, entre EUA e China, nós estamos com alinhamento automático no comércio exterior e também do ponto de vista do posicionamento político do país”, afirmou o economista.

“Nos preocupa muito a posição, por exemplo, que o governo Bolsonaro vai tomar em relação, digamos a uma política de endurecimento dos EUA, em relação, a Venezuela. A pergunta que se faz é a seguinte: Vai haver alguma ação armada? Como o Brasil vai se colocar em relação a isso?” completou.

Veja a entrevista completa no vídeo!