Home Notícias Psicóloga comenta casos de violência contra crianças no Maranhão

Psicóloga comenta casos de violência contra crianças no Maranhão

Featured Video Play Icon

Os casos recentes de crianças que sofreram violência sexual no Maranhão, trazem uma preocupação. Pessoas que eram para proteger e cuidar dos menores indefesos são contados, muitas vezes, como os causadores da violência.

Sobre esses tipos de caso, a psicóloga disse, durante a entrevista que  “esse fator da violência contra a criança e o adolescente é algo que tem haver com a cultura. Então, isso significa que a gente tem que ter ainda um processo muito forte de conscientização das pessoas para não considerar uma criança, um adolescente como um objeto seu, mas como um ser humano. E é isso que diz a declaração Universal dos Direitos Humanos, os tratados internacionais, especificamente no Brasil o Estatuto da Criança e do Adolescente, que abrange essa concepção de direitos e de proteção integral às crianças e adolescentes. À medida que a sociedade brasileira, entender que é um ser humano em desenvolvimento, vai tratá-lo, então, com uma conotação melhor dando à elas condições de se desenvolver bem”.

A entrevistada também comentou sobre o crescimento do desrespeito na sociedade. De acordo com ela, a população tem esquecido que todos são iguais e possuem direitos iguais, adultos, idosos e principalmente, crianças e adolescentes. “É uma preocupação de que hajam retrocessos. Porque hoje, nós já temos um avanço significativo em marcos legais e estruturação das políticas públicas. Então, reverter isso também não é fácil, mas a gente tem notado que os desrespeitos passam a crescer novamente. E o descumprimento passa por isso, quando eu descumpro com aquilo que é uma legislação. Então é uma preocupação sim, com o mundo e com o Brasil, especificamente, da gente deixar de compreender que o direito do outro é igual ao meu direito e que nada faz com que um seja superior ao outro”, disse

A psicóloga também comentou a respeito do caso em que um idoso de 82 aparece abusando sexualmente de uma menina, de 10 anos, na região metropolitana de São Luís, na semana passada. A população tem cometido um grave crime com a divulgação desse material e segundo a psicóloga a sociedade precisa deixar de divulgar aquilo que é ofensivo. ” Esse aspecto midiático, ele tem ressaltado no ser humano uma ansiedade muito grande[…] Hoje a própria mídia tem uma responsabilidade de trabalhar a sociedade no sentido de ver que notícia é essa que está sendo compartilhada. Não só uma mídia de grande porte televisiva, mas todo veículo de informação. E as pessoas têm a tendência em reproduzir sim, isso é do ser humano, como criança, como adolescente nós reproduzimos os modelos e como adulto, a gente também faz isso. É um alerta para toda a sociedade, que ela deixe de compartilhar aquilo que é ofensivo” afirmou.

Veja a entrevista completa no vídeo!