Após vigília, povo Tremembé retira pertences de imóveis antes de demolição

Desde as primeiras horas desta quarta-feira (19), equipes de reportagem da TV Difusora acompanham reintegração de posse na comunidade do Tremembé de Engenho, em São José de Ribamar. O despejo foi determinado por meio do Tribunal de Justiça Estadual.

A reintegração de posse começou pela área denominada de Engenho 2, uma parte do território ocupado pelos indígenas Tremembé. Cerca de 100 famílias ocupavam o local há pelo menos um ano. Após negociação com a polícia, foi dado um prazo de 30 minutos para que as famílias retirassem seus pertences antes que tudo fosse derrubado pelas máquinas. A maioria das casas ainda eram improvisadas, poucas de alvenaria. Nas últimas horas, os Tremembé fizeram vigília na região, até agora já foram sete tentativas de desapropriação.

Nesta terça-feira (18), o Secretário de Estado dos Direitos Humanos e Participação Popular, Francisco Gonçalves, havia solicitado por intermédio de ofício que o juiz reconsiderasse a ordem de despejo da comunidade de Tremembé do Engenho, levando em conta a sua autodeclaração como povo indígena.

Junto ao ofício, o secretário encaminhou documentação enviada pelo Conselho Indigenista Missionário (CIMI) no Maranhão, sobre o processo administrativo de regularização fundiária perante a Fundação Nacional do Índio (FUNAI), que tramita em favor do povo Tremembé.