Home Cultura Alunos da comunidade Eugênio Pereira acompanham concerto beneficente de piano

Alunos da comunidade Eugênio Pereira acompanham concerto beneficente de piano

Alunos da comunidade Eugênio Pereira acompanham concerto beneficente de piano

Alunos e professores da Escola Eugênio Pereira acompanham hoje (10), as 16h, o concerto de piano na Escola de Música Lilah Lisboa. O concerto beneficente acontece pela primeira vez em São Luís. Toda a verba arrecadada será direcionada para organização da Oficina de Música da Escola Eugênio Pereira em Paço do Lumiar, que contempla cerca de 400 crianças e adolescentes.

Foi por meio dos projetos de Leitura e Literatura incentivados pelas professoras e lideranças comunitárias que essas crianças perceberem, que na delicadeza dos poemas, versos e histórias, uma maneira de superar as adversidades. A forma criativa de repassar o conhecimento tem envolvido famílias inteiras e juntas levados a superar desafios.

A comunidade Eugênio Pereira, começou ocupação, que reúne atualmente cerca de 700 famílias, quase 400 crianças, matriculadas no maior símbolo de resistência daqueles moradores; a Escola Eugênio Pereira.

  • Sobre o pianista
    Filho de maranhense, Marcelo Braga é de Brasília, e há dez anos está erradicado na França. Pianista reconhecido é professor da École Nationale de Musique de Bourg-La Raine, em Paris. A apresentação em São Luís, marca também a primeira no país.
  • Sobre o Concerto
    Intitulado “Circunstância” acontece no próximo dia 10/11, as 17h na Escola de Música Lilah Lisboa de Araújo (centro Histórico).
    Ingressos pelo telefone: 98 991 12 78 27
  • Sobre a comunidade Eugênio Pereira
    Desde 2005, a comunidade luta pela regularização fundiária. Já enfrentaram várias ações de despejos, mas resistem. A principal resistência está no conhecimento repassado na Escola Eugênio Pereira, que envolve pais e filhos. Recentemente, a estrutura do recinto passou por uma reforma, por meio da conquista de projetos da Companhia Energética do Maranhão. A comunidade acredita na organização coletiva para conquista de direitos. “Quando nossa comunidade se organiza, ela se torna agente de mudança, de transformação da nossa própria realidade. E a comunidade Eugénio Pereira quis fazer a diferença por meio da educação. Nós escolhemos ser parceiros do conhecimento porque nós entendemos hoje que sim, nós temos direitos como cidadãos”, enfatizou Carmem