Home Política As melhores frases do debate presidencial no SBT

As melhores frases do debate presidencial no SBT

As melhores frases do debate presidencial no SBT

O quinto debate dos candidatos ao Palácio do Planalto, que aconteceu nesta quarta-feira (26), contou com a participação de oito presidenciáveis. A sabatina foi organizada pelo SBT, UOL e Folha de S.Paulo.

Os embates foram entre Ciro Gomes (PDT), Fernando Haddad (PT), Geraldo Alckmin (PSDB), Marina Silva (Rede), Alvaro Dias (Podemos), Henrique Meirelles (MDB), Guilherme Boulos (PSOL) e Cabo Daciolo (Patriota). Hospitalizado, Jair Bolsonaro (PSL) não participou.

Educação, crise econômica, desemprego, corrupção e PT foram os temas mais debatidos durante os três blocos do programa.

No entanto, questões sobre saúde e segurança — os dois principais problemas apontados pelos eleitores, segundo o Datafolha — tiveram pouco destaque entre os presidenciáveis.

A sabatina teve duração de 1 hora e 45 minutos, com participação de jornalistas dos veículos organizadores e mediação de Carlos Nascimento.
As melhores frases do debate

No debate entre Guilherme Boulos e Geraldo Alckmin, o candidato do PSOL questionou o tucano sobre supostas irregularidades com o dinheiro da merenda. “Onde está o dinheiro da merenda, candidato?”.

Na tréplica, Boulos afirmou que Alckmin é “o Cabral que está solto”. De resposta, o candidato do PSDB respondeu: “Este é o nível do candidato a presidência do PSOL. Eu tenho anos de vida pública, e não de invasão de propriedades”.

Na sabatina entre Cabo Daciolo e Ciro Gomes, o presidenciável pelo Patriota alfinetou o pedetista sobre sua ida ao hospital Sírio-Libanês, nesta terça-feira (25).

“A democracia é uma delícia né? Mas o senhor, quando ficou doente foi para o Sírio Libanês. E o povo, como fica?”, questionou Daciolo.

Já no embate entre Fernando Haddad e Marina Silva, os candidatos se estranharam na questão sobre Michel Temer (MDB). “O governo do Temer foi colocado onde está pelo PT, por Dilma Rousseff, que o escolheu para vice”, falou Marina.

Na réplica, o candidato petista jogou a culpa de volta para a presidenciável da Rede. “Quem colocou o Michel Temer foram vocês. Temer traiu a Dilma e está lá graças a vocês”, uma referência ao apoio do partido de Marina ao impeachment da ex-presidente, em 2016.

No final do primeiro bloco, Henrique Meirelles escolheu Cabo Daciolo para falar sobre economia. O candidato questionado, afirmou que os “banqueiros ficam matando e roubando o povo brasileiro”. Em seguida, disse que “em breve vocês vão aceitar o senhor Jesus”.

No segundo bloco, jornalistas dos veículos organizadores fizeram rodadas de perguntas com os candidatos.

Ciro Gomes foi questionado se manteria apoio do PT, em um cenário de vitória do pedetista. “Eu, francamente, se puder governar sem o PT, prefiro. O PT representa uma coisa muito grave. É uma estrutura de PT odienta, que acabou criando o Jair Bolsonaro, essa aberração.”

Na vez de Haddad se pronunciar, ele provocou Ciro por sua fala. “O Ciro disse que não pretende governar com o PT, sendo que há pouco tempo atrás me chamou para ser seu vice”, afirmou.

Questionado sobre suas visitas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva às segundas-feiras, o candidato petista reforçou a “injustiça que estão fazendo com Lula” e relembrou que também é seu advogado. “Eu vou com muita honra a Curitiba. Não vou descansar enquanto ele não for inocentado”.

No último bloco, os candidatos questionaram uns aos outros novamente e também tiveram um minuto para as considerações finais.

No embate entre Meirelles e Alckmin, o emedebista provocou o tucano, ex-governador de São Paulo. “São Paulo tem uma extensa rede de metrô, mas que demorou 20 anos para ser concluída, diz Meirelles. É essa a eficiência que você quer levar para Brasília?”, questionou.

Marina Silva levantou a questão sobre a mulher no mercado de trabalho em sua pergunta para Álvaro Dias. O candidato afirmou que fará investimentos massivos em creche, “para que a mulher seja uma mãe feliz”.

Entre Boulos e Daciolo, o candidato do Patriota disse que considera a urna eletrônica uma fraude e que “o voto voltará a ser em cédulas”. Do Exame.