Home Maranhão São Luís Nove pessoas presas suspeitas de integrar organização criminosa

Nove pessoas presas suspeitas de integrar organização criminosa

Nove pessoas presas suspeitas de integrar organização criminosa

Catorze mandados de prisão e de busca e apreensão domiciliar foram cumpridos nesta quinta-feira (13) pela Polícia Civil, sob coordenação da Superintendência de Polícia Civil da Capital (SPCC) e apoio da Polícia Militar. Nove pessoas foram presas e cinco já estavam no Sistema Prisional e seriam as que comandavam as ações criminosas.

Batizada de operação Gaia, a ação teve início há cerca de três meses por meio de investigações que apontaram para o envolvimento de, pelo menos, 18 pessoas com a organização criminosa. Todos seriam do alto escalão da organização, responsáveis por boa parte do comércio ilícito de drogas em São Luís. Eles também atuariam em crimes como roubos, porte ilegal de armas, ameaças, expulsão de moradores e homicídios.

Foram presos preventivamente Maria Euzelia dos Santos Silva, Julio Mariano Santos Ferreira, Marcos Vinicius Frazão, Antonia Francinete Santos da Silva, Francilene Fonseca Silva, Francisco de Assis Costa Junior, Talisson de Sousa Pereira, Jonas Salatiel dos Santos Ribeiro e Gabriel Soares da Silva. Na ocasião ainda foram cumpridos os mandados de prisão contra Patrick Santos Barros, Pedro Weberth Gonçalves, José Vicente de Jesus Silva Matos, Alberlan Castro Marques e Pablo Farias Cunha, que já estavam presos no Sistema Prisional.

Como resultado da operação, a polícia conseguiu apreender vários aparelhos eletrônicos como TVs, celulares, câmeras fotográficas e notebook. Também foram recolhidos um veículo Kia Sportage, uma motocicleta, um revolver calibre 38, várias munições calibre 12, coletes e capas balísticas, algemas e R$ 15 mil em espécie.

A operação contou com a participação de policiais lotados em várias delegacias da região metropolitana de São Luís, bem como das Seccionais Leste, Oeste e Sul e do Grupo de Serviço Avançado (GSA) do 6° Batalhão de Polícia Militar. As investigações devem continuar no intuito de localizar e prender os outros investigados que não foram encontrados durante o cumprimento dos mandados e que estão agora na condição de foragidos.