Home Maranhão Governo distribui mais de 1.700 novos Cheques Minha Casa

Governo distribui mais de 1.700 novos Cheques Minha Casa

Governo distribui mais de 1.700 novos Cheques Minha Casa

A entrega do Cheque Minha Casa foi realizada no Centro Social dos Servidores Públicos do Estado do Maranhão (Ipem) e atendeu moradores dos municípios de São Luís, Raposa, São José de Ribamar e Paço do Lumiar. Com esta etapa, chega a 6.458 o número de famílias beneficiadas pelo Governo do Maranhão com o programa.  Neste sábado (26), chegou a 6.246 o número de famílias beneficiadas pelo programa. São 1.500 novos títulos no valor de R$ 5 mil destinados a melhorias e reformas nos lares das famílias contempladas na Grande Ilha.

“Em 2017, atingimos a meta de 4 mil famílias; neste ano, o objetivo é o mesmo. E em São Luís, começamos no sábado, com 1.500 Cheques Minha Casa para moradores da capital, Paço do Lumiar, São José de Ribamar e Raposa”, diz a secretária de Estado das Cidades e Desenvolvimento Urbano, Flávia Alexandrina.

Antes disso, outras 746 famílias já foram beneficiadas neste mês com recursos para reconstruir moradias afetadas fortemente pelas chuvas. O governador Flávio Dino entregou os Cheques Minha Casa em Trizidela do Vale, Pedreiras e Tuntum.

“O programa Cheque Minha Casa já começou a atender as famílias atingidas nos municípios que declararam estado de emergência. As lojas já foram credenciadas, as casas estão sendo recuperadas e as famílias já estão adquirindo seus bens”, afirma a secretária.

Em abril deste ano, o Cheque Minha Casa também beneficiou as famílias que foram fortemente atingidas pelas chuvas. Somente nos municípios de Trizidela do Vale, Pedreiras e Tuntum foram entregues 746 cheques, para as famílias reconstruírem e mobiliarem suas moradias.

Cheque Minha Casa

O programa, que é executado pela Secretaria de Estado de Cidades e Desenvolvimento Urbano (Secid), passou por uma mudança específica para atender as famílias desabrigadas, permitindo a compra de móveis e eletrodomésticos essenciais, além da própria reconstrução das moradias.

O perfil inclui famílias carentes com renda de até três salários mínimos e, além de ajudar na reforma dos lares, ainda movimenta a economia e gera renda no mercado local. “Gera um benefício social muito grande, as pessoas realizam sua obra com mutirão, autoconstrução, há uma movimentação na renda. Isso é um dos objetivos, dinamizar a economia, elevar o emprego e trabalho nas lojas de material de construção, além de melhorar a qualidade das moradias”, acrescenta a secretária.