Home Cultura Quadrilhas juninas: Conheça a movimentação fora dos tablados

Quadrilhas juninas: Conheça a movimentação fora dos tablados

Quadrilhas juninas: Conheça a movimentação fora dos tablados

Por: Juju de Sá/Difusora Sul

O trabalho iniciado no começo do ano é reforçado no mês que antecede uma das festas mais populares do Nordeste: as festas juninas. Com orçamentos que ultrapassam os cinquenta mil reais, as quadrilhas envolvem centenas de pessoas e movimentam a economia da local.

 

Antes restritas a pequenos arraiais em frente às igrejas, com o passar dos anos, as danças em homenagem a Santo Antônio, São João e São Pedro foram se profissionalizando e viraram grandes espetáculos de público e mídia.   

Essa nova versão das quadrilhas juninas, denominada de estilizada, se assemelha à organização da escolas de samba, com a escolha de um tema, ou enredo, repertório, coreografias e cenários. E concorrem a grandes premiações.

Em Imperatriz- MA, a junina Arrasta Pé realiza apresentações há 17 anos e desde 2009 deixou de ser tradicional, adotando o perfil estilizado. Desde então, disputa competições pelo Norte e Nordeste do país.

Os ensaios começaram no mínimo seis meses antes

De acordo com o Laédson Brito, integrante da Arrasta Pé, este ano, 120 pessoas estão trabalhando diretamente com a preparação do espetáculo. Destes, 70 são dançarinos. “É o sonho de muita gente envolvido, trabalhamos diariamente para que dê tudo certo, nos mínimos detalhes. Quando estamos em apresentações recebemos de cada sorriso a recompensa por tudo que foi investido” destaca.

Como é preciso um alto investimento financeiro para que tudo saia do jeito planejado, os integrantes se mobilizam para conseguir dinheiro: realizam feijoadas, vendem rifas e ajudam na confecção das fantasias.

O brincante Thayson Lima diz que cada apresentação é a concretização de um ano de planejamento. “Vivemos o São João o ano inteiro, é um sonho coletivo. Cada integrante, cada junina dedica tempo, energia, e às vezes dinheiro para que tudo dê certo”, fala.  

Renda extra  

Fora do holofotes dos grandes festivais, continuam as quadrilhas tradicionais realizadas em escolas, ruas e encontros familiares. Fernanda Barros, que é proprietária de uma casa de aluguel de fantasias e também costureira, diz que esse período movimenta a economia do ramo.

“Estamos trabalhando com a confecção de vestidos de chita desde fevereiro, já fechamos com escolas, pequenos grupos de amigos e estamos esperando as pessoas que sempre deixam pra última hora”, diz ela.

As lojas de utensílios também já abasteceram os estoques com fitas, chapéus, e bandeirolas. O vendedor Henrique Rabelo aposta na quantidade de arraiais juninos espalhados pela cidade para alcançar as metas de vendas. “São João é uma festa com muito brilho, mesmo as pessoas que não brincam, gostam da animação. Apostamos na variação das cores para atrair o público”, finaliza.

As lojas de variedades já estão abastecidas

Estilizada ou tradicional, o importante é que as festas juninas animam muita gente, seja no tablado ou no comércio.