Home Notícias Mundo ONU denuncia Israel por matar indiscriminadamente nos protestos de Gaza

ONU denuncia Israel por matar indiscriminadamente nos protestos de Gaza

ONU denuncia Israel por matar indiscriminadamente nos protestos de Gaza

O Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos denunciou, nesta terça-feira (15), que Israel mata de uma forma que “parece indiscriminada” e lembrou que querer pular ou danificar uma cerca de fronteira não justifica o uso de munição letal

“Parece que qualquer um pode ser assassinado ou ferido; mulheres, crianças, repórteres, pessoal de primeiros socorros. Qualquer um que se aproxime mais de 700 metros da cerca. Dispararam em uma pessoa sem as pernas, quão ameaçador por ser um amputado?”, afirmou o porta-voz em Genebra do Escritório, Rupert Colville.

“Parece bastante claro que está matando de forma indiscriminada”, precisou Colville.

“O uso da força letal deve ser o último recurso, não o primeiro, e deve responder a uma ameaça à vida. A tentativa de pular ou danificar uma cerca, ou lançar coquetéis molotov, não é claramente uma ameaça de morte”, ressaltou o porta-voz.

Colville especificou que o fato de não haver “ameaça real de morte” contra o Exército israelense é demonstrado no número de feridos de Israel: um soldado.

“A comparação de números fala por si só”, lembrou Colville, que citou que de acordo com informações verificadas pela ONU, 58 pessoas morreram, entre elas seis crianças e um trabalhador da área da saúde; e 1.360 pessoas ficaram feridas por munição letal, das quais 155 estão em condição crítica e podem morrer a qualquer momento.

O Ministério da Saúde palestino eleva o número total de mortos a 60 e o de feridos a 2,7 mil, metade deles por bala ou estilhaços.

Desde 30 de março, as diversas facções palestinas convocaram manifestações semanais para reivindicar o direito de retorno às terras das quais foram expulsos ou fugiram com a guerra e criação do Estado de Israel em 1948, que completou ontem 70 anos.

Ontem, além disso, os palestinos se manifestaram contra a inauguração da Embaixada dos EUA em Jerusalém e no marco da Grande Marcha do Retorno.

“Lembramos em inúmeras ocasiões a Israel as leis internacionais e várias vezes estas normas são ignoradas”, denunciou o porta-voz.

Colville lembrou que o alto comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Zeid Ra’ad al Hussein, definiu o que ocorre em Gaza como “mortes ilegais” porque a Faixa é um território ocupado por Israel, e é uma violação da quarta Convenção de Genebra, o tratado que rege a atuação em zonas de conflito.

Ao mesmo tempo, Colville definiu a situação em Gaza de “pesadelo”, dada a falta de camas em hospitais e de pessoas para tratá-los e denunciou que “Israel, mais uma vez, não deixou palestinos feridos sairem para obter tratamento em outro local”.

O porta-voz do Escritório de Assuntos Humanitários da ONU (OCHA), Jens Laerke, confirmou que Israel segue “controlando” a saída desde Gaza e que a situação sanitária é “uma tragédia” dada a falta de capacidade para atender “centenas de feridos” e que estão ficando sem materiais essenciais e ficarão sem combustível em menos de uma semana.

Tariq Jasarevic, porta-voz da Organização Mundial da Saúde (OMS), acrescentou que a capacidade de reação dos hospitais de Gaza está em mínimos há uma década por causa do bloqueio israelense à Faixa, e que um de cada cinco remédios essenciais se esgotaram e são urgentes tantos antibióticos para tratar os feridos como tratamentos para o câncer.

Segundo a apuração da ONU, desde que começaram os protestos morreram 112 pessoas, entre elas 14 crianças

Agência EFE – Direitos reservados

Palestinos choram a morte de familiares e crianças durante ação de Israel em protestos em Gaza. EFE/Haitham Imad