Home Maranhão Maranhão ofertará primeiro curso de vulcanização do país

Maranhão ofertará primeiro curso de vulcanização do país

Maranhão ofertará primeiro curso de vulcanização do país

Está implantando, por meio do Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IEMA), em parceria com a Vale, o primeiro curso de vulcanização do Brasil, no IEMA Itaqui-Bacanga. Previsto para iniciar no final do primeiro semestre deste ano, o edital de inscrição para a primeira turma deve ser divulgado até o final de março, no próprio site da instituição.

A grade curricular do curso de vulcanização será de mil horas e está sendo elaborada pela equipe multidisciplinar e educacional do IEMA e por profissionais da Vale. O documento com os módulos será encaminhado ao Ministério da Educação (MEC) e inserido no Catálogo Nacional de Cursos Técnicos do MEC, oficializando a implantação do primeiro curso no país. A divisão e o tema dos módulos serão divulgados no edital. As aulas acontecerão no período noturno.

O primeiro curso de vulcanização é o reflexo dos investimentos realizados em educação integral e profissional no estado, com a expansão dos IEMAs.

O reitor do IEMA, Jhonata Almada, ressalta a importância do curso de vulcanização para atender aos anseios dos membros da comunidade do entorno do Itaqui-Bacanga e dos funcionários que a empresa deseja qualificar.“É o primeiro curso nesta área, no Brasil, e nós chamamos de curso experimental, que vai ser essencial para a formação de profissionais muito demandados pela Vale e empresas que estão na região industrial do Itaqui”, avaliou.

Outro curso que está sendo oferecido pelo IEMA Itaqui-Bacanga é o de Portos. A especialidade é resultado da parceria firmada entre o IEMA e a Empresa Maranhense de Administração Portuária (EMAP), e estará ligada à logística portuária. O curso atenderá uma demanda reprimida do setor portuário que está em expansão no Maranhão. “A instituição dos cursos está vinculada à demanda do setor produtivo, o que significa que a distância entre a formação e atuação profissional é muito tênue e as chances de empregabilidade dos formados nestes cursos tendem a ser bem maiores”, reiterou o reitor.

Todos os cursos foram escolhidos de acordo com demandas coletadas nas comunidades em que serão instaladas e visam a qualificação dos estudantes, que além de garantirem colocação nos mercados locais, contribuirão para o desenvolvimento regional de todo o Maranhão.