Home Maranhão Imperatriz Imperatrizenses são selecionados para olimpíada em Nova York

Imperatrizenses são selecionados para olimpíada em Nova York

Imperatrizenses são selecionados para olimpíada em Nova York

Os estudantes Ítalo da Costa, Jadson Andrade e João Vitor terminaram o ensino médio em 2017 em uma escola pública de Imperatriz. Como fruto da pesquisa de uma feira de ciências, o projeto dos garotos, sobre biocombustível, foi premiado para participar da Genius Olympiad, em New York, nos Estados Unidos, prevista para acontecer em junho deste ano. Além deste projeto, eles pretendem apresentar mais dois.

O projeto sobre o biocombustível foi escolhido entre mais de 100 projetos. 

O projeto original não poderá ser levado à feira por conta da demanda. “O biocombustível é um projeto muito extenso e não conseguiríamos produzir o biodiesel para levar. Pela nossa disposição e pelo desenvolvimento que tivemos com esse projeto, a feira nos disponibilizou a oportunidade de estarmos elaborando mais dois projetos para apresentar”, explica João.

Ganhar a credencial foi a motivação para que os meninos produzissem mais dois projetos e os cadastrassem para participar da feira. Jadson e Vitor fazem dupla e inscreveram o trabalho denominado “Aplicação da macrófita aquática (egéria densa) na produção de tijolos ecológicos para construção de casa ecológica”.

Já Ítalo produziu um trabalho sobre a reutilização da água: “Construção de filtros aplicando as espécies macrófitas para o tratamento de efluentes domésticos”.

Custo da viagem

Ítalo diz que agora eles têm um desafio pela frente. “Nós temos outro desafio pela frente, que é custear as passagens e outros gastos da viagem”, conta.

O grupo fez um cálculo de 7 mil reais para cada integrante, já que as passagens de ida e volta custam em torno de 4 mil reais para cada.

Os estudantes estão correndo atrás de algumas lideranças que podem patrocinar a ida para os Estados Unidos e planejam também fazer uma feijoada para angariar fundos. “É a parte mais difícil. Na feira a gente tem alimentação, transporte e hospedagem. Nós necessitamos a parte da viagem”, disse Ítalo.

Os pesquisadores recebem ajuda gratuita do Curso de Inglês Acessível (CIA), realizado na Universidade Federal do Maranhão (UFMA), para estarem com o inglês em dia na apresentação do trabalho.

O professor de idiomas, Gabriel Porto, afirma que é um grande desafio apresentar um trabalho em outra língua, mas garante que não falta empenho dos estudantes. “A gente está ajudando nisso e dando todo o suporte que eles precisam e tenho certeza que eles vão se sair muito bem nessa feira”.

Como ajudar?

Para ajudar os jovens pesquisadores, os interessados podem entrar em contato pelos telefones (99) 991028181 / 99112 3884.