Home Polícia Caso Lorena: nove suspeitos participaram da morte da jovem

Caso Lorena: nove suspeitos participaram da morte da jovem

Caso Lorena: nove suspeitos participaram da morte da jovem

Foram apresentados na tarde desta segunda-feira (19) seis suspeitos de envolvimento no homicídio da adolescente Lorena Luiza da Silva Furtado, em maio de 2017. Ao todo, são nove suspeitos do crime.

Além dos seis apresentados, outros dois adolescentes foram apreendidos e o último envolvido confirmado pela polícia morreu por overdose, no mesmo período em que a jovem foi assassinada.

A motivação do crime foi uma rixa entre facções, sendo a execução da jovem determinada pelo grupo após ela afirmar, durante uma festa, que era de facção rival. A adolescente foi amarrada e morta com golpes na cabeça. Para agredi-la, o grupo usou uma barra de ferro.

A reconstituição da morte da jovem será realizada na tarde de hoje. Segundo o delegado Carlos Damasceno, serão analisadas as informações colhidas nos depoimentos dos suspeitos e a polícia continuará investigando as circunstâncias do crime. “Queremos identificar o local exato da execução, que ainda não foi colhido, colher material orgânico nesse local e verificar se o trajeto confessado pelas vítimas atende a uma conexão em termo de viabilidade”, disse ele.

Foram 10 meses e três dias até que o corpo da vítima fosse encontrado. Por causa do avançado estado de decomposição, foi necessário um exame antropológico para a identificação da ossada e da arcada dentária da vítima.

De acordo com as investigações, o crime aconteceu no sítio localizado em Paço do Lumiar, mesmo local onde o corpo da menina foi enterrado.

Segundo a delegada da DPCA, Ana Zélia, todos os suspeitos estiveram reunidos na festa com a vítima. O fato foi confirmado desde o início das investigações, que foram atrapalhadas devido a uma versão inverídica do crime, sobre a qual os suspeitos teriam pactuado entre si e apresentado à polícia.

“Ao todo, nós fizemos mais de 22 buscas e diligências atrás da Lorena, até que foi decretada a prisão temporária de dois dos suspeitos”, aponta ela, confirmando que após as prisões, foram recebidas confissões de como teria ocorrido o crime, a ossada foi encontrada e a perícia confirmou que realmente se tratavam dos restos mortais da vítima.

Sobre a possibilidade de Lorena ter sofrido abuso sexual, as autoridades afirmaram que não há indícios que comprovem isso.