Home Maranhão Investigação de envolvimento de PMs em organização criminosa tem continuidade

Investigação de envolvimento de PMs em organização criminosa tem continuidade

Investigação de envolvimento de PMs em organização criminosa tem continuidade

Desde ontem (22), a Polícia Militar tem monitorado a área na qual está localizado o galpão que foi descoberto durante operação policial em que quatro policiais militares e outros sete suspeitos foram presos sob suspeita de integrar organização criminosa envolvida com contrabando. No local, foram encontradas uma caçamba e milhares de caixas de cigarros e bebidas.

Imagem: TV Difusora

O valor da mercadoria do galpão, que fica na Vila Esperança, ainda não foi avaliado pela polícia.

Imagem: Fábio Cabral

O caso continua em investigação. “Há, concretamente, o envolvimento de outros. Isto é fato. Não é nada apressado afirmar isso. Nós não podemos encerrar um trabalho com alguns que nós já identificamos, porque nós temos convicção plena do envolvimento de outros”, disse o secretário de Segurança Pública no Maranhão, Jefferson Portela, durante entrevista coletiva.

O delegado Tiago Bardal, que foi exonerado do cargo de superintendente na SEIC por suspeita de envolvimento no crime, foi ouvido na Superintendência Estadual de Prevenção Combate à Corrupção (SECCOR) ainda na noite de ontem.

Ele foi encontrado por uma patrulha da Polícia Militar (PM) em estrada onde a organização criminosa operava, que seria investigada na Operação ‘Combate à Corrupção’. De acordo com Jefferson Portela, Bardal foi encontrado acompanhado por um homem estranho ao serviço público. “Nada justifica a presença dele no local, porque ele não estava em operação policial”, explicou o secretário.

Ele afirma que a exoneração de Bardal foi motivada por quebra de confiança, já que o delegado ocupava um cargo gerencial dentro da Polícia Civil.

Em entrevista à TV Difusora, Tiago Bardal disse acreditar que deveria ter sido notificado sobre as suspeitas contra ele e diz ter tomado conhecimento da sua exoneração por parte da imprensa. Ele alega também que não conhece as pessoas que prestaram depoimento sobre o caso.

Sobre o caso, a Associação dos Delegados de Polícia do Maranhão (ADEPOL-MA) emitiu a seguinte nota:

A Associação dos Delegados de Polícia Civil do Estado do Maranhão – ADEPOL MA, com abono em manifestação do associado, vê-se impulsionada em esclarecer notícias tornadas públicas através de sites da internet e da mídia em geral, noticiando o suposto envolvimento do Dr. Tiago Mattos Bardal em atividade ilícita e submeter os informes divulgados unilateralmente nos meios de comunicação à análise individual com novos elementos fáticos.

O Dr. Tiago Mattos Bardal foi exonerado do cargo de direção da SEIC no dia de hoje em virtude de ter sido citado por policiais militares que afirmaram ter abordado o seu veículo duas horas antes da operação policial e cerca de 5 km do local onde as prisões e apreensões se deram. Todas as pessoas que foram conduzidas para a Delegacia de Polícia foram ouvidas e nenhuma delas citou o nome do Dr. Tiago Mattos Bardal, inclusive, quando questionados pela Autoridade que presidia o ato, declararam que não o conheciam, nunca o viram e nunca tiveram qualquer contato com o mesmo.

Na data de hoje, em nenhum momento o Dr. Tiago Mattos Bardal foi chamado pela cúpula da segurança pública nem pela SECCOR para dar a sua versão dos fatos, mesmo passando todo o dia trabalhando normalmente, cumprindo as suas funções laborais.

Lamentavelmente seu envolvimento foi dado como certo em graves delitos que ainda estão sendo apurados.

Por derradeiro, a Associação dos Delegados De Polícia Do Estado Do Maranhão informa que acompanhará o desenrolar das investigações que se iniciaram e acredita que ao final exsurja a verdade.