Home Polícia Juiz manda soltar ex-tenente acusado de assassinar a tiros Iarla Barbosa

Juiz manda soltar ex-tenente acusado de assassinar a tiros Iarla Barbosa

Juiz manda soltar ex-tenente acusado de assassinar a tiros Iarla Barbosa

O juiz da 1ª Vara do Tribunal do Júri, Antônio Nollêto, determinou a soltura do ex-tenente do Exército, José Ricardo da Silva Neto, que confessou ter assassinado a tiros sua namorada, a estudante Iarla Lima Barbosa, de 25 anos. As informações são do portal Cidadeverde.com.

O crime ocorreu a madrugada de 19 de junho do ano passado, na saída de um bar na zona Leste de Teresina. A decisão é da última sexta-feira (2) e desde então o ex-tenente do Exército encontra-se em liberdade condicional. Leia a sentença clicando aqui.

José Ricardo está preso desde o dia do crime, quando foi encontrado no condomínio onde morava, no bairro Santa Isabel. No carro, que estava estacionado no mesmo local, ainda estava o corpo da jovem morta. Com ele foi apreendida a arma do crime, uma pistola calibre 380.

 

Leia também 

Em audiência, irmã diz que Iarla terminaria namoro no dia em que foi morta

 

Na decisão o juiz determina como medidas cautelares que José Ricardo não pode se ausentar temporariamente ou definitivamente do município de sua residência, sem a devida autorização do Juízo; deve comparecer a todos os atos do processo para os quais for intimado; comparecer mensalmente perante o juízo da Comarca de Recife (PE), para informar e justificar as suas atividades; recolhimento domiciliar no período noturno, a partir das 20h; não se envolver em nenhum outro delito e não frequentar casas de eventos.

A advogada da família Karla Oliveira, explica que a medida já era esperada pelos familiares. “Causa aquela sensação de impunidade e de indignação mas o Dr. Nollêto tão somente cumpriu a lei que determina que tendo bons antecedentes criminais, ele pode aguardar o Júri em liberdade”, explicou a advogada.

Recurso

O promotor Ubiraci Rocha informou que está de férias e ainda não tomou conhecimento da decisão. O promotor informou ainda que ao retornar analisará a decisão para as devidas providências. Já o promotor substituto da 14ª promotoria, Regis Marinho, informou que vai interpor ainda nesta terça-feira (6) recurso no Tribunal de Justiça contra a revogação da prisão do ex-tenente.

No recurso de sentido estrito, a Justiça decidirá sobre a liberdade ou manutenção da prisão do acusado.

Como o juiz Antônio Nollêto, responsável pela revogação da prisão do ex-tenente, está em férias, quem analisará o recurso é a juíza Maria Zilnar Coutinho da 2ª Vara do Tribunal do Júri.

O promotor Regis Marinho alegará no recurso que José Ricardo da Silva Neto deve ter prisão preventiva novamente decretada pela “garantia da ordem pública”.

Família lamenta

O primo de Iarla Jordy Mesquita afirmou que a família está abalada com a informação e desabafa. “Sentimento de dor, impunidade e revolta é o que fica”, disse o jovem, afirmando que a sensação de impunidade é forte após a soltura de ex-tenente José Ricardo da Silva Neto.

O familiar de Iarla conta que todos os parentes e amigos da vítima estão abalados com a decisão. Mas a dor mais forte está sendo sentida pela professora Dulcinéia Barbosa e por Ilana Barbosa, mãe e irmã de Iarla. Ilana estava com a irmã no dia do assassinato e também foi baleada.

“A mãe e a irmã estão com uma sensação de desespero. A dona Dulcinéia chora e fala que não sabe o que vai fazer da vida dela”, conta Jordy.

Ministério Público

O Ministério Publico denunciou o ex-tenente à Justiça por feminicídio.

Na denúncia, Ubiraci Rocha destacou que o crime foi cometido pelo menosprezo ou “discriminação à condição de mulher, haja vista a expressa manifestação de poder do acusado sobre a vítima, uma vez que estes mantinham uma relação amorosa (namorados), há apenas sete dias”.

O ex-oficial também foi denunciado por tentativa de homicídio qualificado pelo feminicídio de Josiane Mesquita da Silva e Ilana Lima Barbosa, amiga e irmã [respectivamente] de Iarla que também teriam sido baleadas por ele.

O caso foi encaminhado ao Tribunal Popular do Júri de Teresina.