Home Cultura Cinema Rússia suspende exibição de comédia britânica sobre morte de Stalin

Rússia suspende exibição de comédia britânica sobre morte de Stalin

Rússia suspende exibição de comédia britânica sobre morte de Stalin

A Rússia suspendeu nesta terça-feira a projeção do filme britânico “The Death of Stalin” (“A Morte de Stalin”, em tradução livre), uma sátira política criticada por personalidades da cultura russa por zombar de dirigentes e símbolos soviéticos.

“Enviamos hoje uma nota à distribuidora Volga sobre a retirada de acreditação para o filme ‘The Death of Stalin'”, informou um porta-voz do Ministério da Cultura para os veículos de imprensa locais.

O porta-voz explicou que um filme pode ter sua autorização de exibição suspensa caso este inclua informação cuja difusão está proibida pela legislação.

“Se o filme será exibido ou não, veremos isto mais tarde”, acrescentou a fonte.

A Volga explicou que o ministério lhe remeteu no dia 17 de janeiro a autorização para exibir o filme, mas mudou de ideia após receber numerosas manifestações de repulsa.

“The Death of Stalin”, dirigido pelo britânico Armando Iannucci e que devia estrear em 25 de janeiro, aborda com tom de humor as lutas internas após a morte de Josef Stalin em 1953.

Um grupo de membros destacados do conselho subordinado ao Ministério de Cultura, entre os quais figura o famoso cineasta Nikita Mikhalkov, criticou o filme após assistir à sua pré-estreia ao considerar que o mesmo inclui material que pode ser classificado como extremista.

Na opinião deste grupo, a comédia distorce a história da URSS e macula a memória dos cidadãos soviéticos que derrotaram o Fascismo.

Os integrantes do conselho denunciaram que o marechal Georgy Zhukov, o herói soviético da Segunda Guerra Mundial, é apresentado como um palhaço e enquadraram o filme na atual “luta ideológica contra a Rússia”.

Além disso, devido à proximidade do 75º aniversário da vitória na batalha de Stalingrado, pediram encarecidamente que sua exibição fosse adiada por vários meses.

Em particular, Pavel Pozhigailo opinou que “The Death of Stalin” é um “insulto” aos “símbolos históricos da URSS: o hino soviético, as ordens e medalhas”.

As opiniões do conselho foram respaldadas pelo comitê de Cultura da Duma, a Câmara dos Deputados da Rússia, na qual os deputados pediram que sua estreia fosse adiada e qualificaram o filme de “asqueroso”, mas reiteraram que a lei impede a proibição do longa-metragem.

“The Death of Stalin” estreou em setembro do ano passado durante o Festival de Toronto, no Canadá, ao qual compareceram seus principais protagonistas.

O sucessor de Stalin, Nikita Khrushchev, é interpretado por Steve Buscemi; Zhukov, por Jason Isaacs, enquanto que o conhecido comediante do grupo Monty Python Michael Palin vive Vyacheslav Molotov, em um elenco que também inclui a ucraniana Olga Kurylenko.

Em declarações à imprensa russa, Iannucci assegurou que o filme não pretende ser um documento histórico e admitiu que os diálogos entre os dirigentes soviéticos são resultado de sua imaginação.

A imagem de Stalin, que dirigiu com mão de ferro a URSS durante mais de 25 anos, melhorou nos últimos anos e cada vez menos russos o consideram um ditador sanguinário responsável pela repressão contra milhões de pessoas.

Agência EFE