Home Notícias Mundo Trump diz que FBI está “contaminado” após usar dossiê encomendado por Hillary

Trump diz que FBI está “contaminado” após usar dossiê encomendado por Hillary

Trump diz que FBI está “contaminado” após usar dossiê encomendado por Hillary

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta terça-feira que o FBI (polícia federal dos EUA) está “contaminado” após ter utilizado um dossiê pago em parte pela campanha de Hillary Clinton para investigar a suposta conexão do republicano com a Rússia.

“Eles utilizaram este monte de lixo da desonesta Hillary como base para ir contra a campanha de Trump”, afirmou o presidente em sua conta no Twitter.

Trump também se referiu ao dossiê como “falso” e explicou que o FBI não poderia verificar as acusações de suposta coordenação entre sua campanha e o governo russo nas eleições presidenciais de 2016, que foram feitas no documento.

O governante tachou o FBI de “contaminado” pela atuação do órgão em relação à investigação de sua campanha, citando como fonte o programa “Fox and Friends”, da emissora conservadora “Fox”, um de seus favoritos.

Em outubro, o jornal “The Washington Post” informou que a campanha de Hillary Clinton e o próprio Partido Democrata tinham financiado a investigação que foi revelada depois das eleições sobre os possíveis vínculos entre o agora presidente, Donald Trump, e o Kremlin.

Um ex-assessor de campanha de Trump, Michael Caputo, enalteceu nesta terça-feira os tweets do governante sobre o FBI e considerou críticas uma “política de segurança” contra a possível politização das investigações.

“Os tweets do presidente são uma política de segurança para os americanos para assegurar que as organizações encarregadas de aplicar a lei se mantenham imparciais”, declarou Caputo em entrevista à “CNN”.

Caputo considerou que o conteúdo dos tweets de Trump pode ser decepcionante para alguns, mas se encarrega de ressaltar à população a politização existente por uma boa razão”, e expressou que “se haverá uma investigação, tem que ser imparcial”.

Agência EFE