Home Polícia Justiça revoga e converte prisões de investigados em operação

Justiça revoga e converte prisões de investigados em operação

Justiça revoga e converte prisões de investigados em operação

A Terceira Turma do Tribunal Regional da 1ª Região (TRF) em Brasília (DF), revogou e converteu a prisão preventiva de dois envolvidos na Operação Pegadores, deflagada pela Polícia Federal no último dia 16 de novembro, no Maranhão.

Luiz Marques Barbosa Júnior teve sua prisão prisão preventiva revogada e Mariano de Castro irá cumprir pena em prisão domiciliar. Os dois foram presos sendo suspeitos de desviar verbas na área da saúde desde 2015.

Todo o processo investigatório sobre a operação será de responsabilidade da Corte Federal.

Leia Mais:

“É uma soma curiosa de equívocos”, diz secretário sobre Operação Pegadores

O secretário estadual de Saúde Carlos Lula em entrevista ao programa Resenha, falou sobre o modelo de políticas públicas em saúde e também comentou sobre a Operação Pegadores, que apurou indícios de desvios de recursos públicos federais na área da saúde.

Questionado sobre a operação, ele disse que ao seu ver, ela é “uma soma curiosa de equívocos de toda ordem”. Ele afirmou: “quem diz que [as irregularidades] aconteciam desde o governo anterior não somos nós, é a própria polícia. E o que temos feito desde 2015 é mudar o modelo, que era totalmente equivocado”.

Veja: 

OPERAÇÃO

A Operação Pegadores  apura indícios de desvios de recursos públicos federais por meio de fraudes na contratação e pagamento de pessoal, em Contratos de Gestão e Termos de Parceria, firmados pelo Governo do Maranhão, na área da saúde.

Essa operação se trata da quinta fase da Operação Sermão aos Peixes, que buscou combater ação ilícita de servidores públicos que exerciam funções de comando na Secretaria de Estado da Saúde em 2015 e montaram um esquema de desvio de verbas e fraudes na contratação e pagamento de pessoal.

Os investigados responderão, na medida de suas participações, pelos crimes de peculato, corrupção ativa, corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa, dentre outros.