Home Maranhão Imperatriz Agência do Banco do Brasil será deslocada

Agência do Banco do Brasil será deslocada

Agência do Banco do Brasil será deslocada

Após anúncio do possível fechamento da agência bancária da Praça de Fátima, em Imperatriz, a superintendência do Banco do Brasil afirmou que a agência será deslocada para a Praça da Cultura, fechada no início do ano. Para se opor a um possível fechamento, vereadores, sindicato dos bancários e comunidade estiveram uma audiência pública na manhã desta quarta-feira (13).

Na audiência pública, a câmara, sindicato dos bancários e funcionários tentavam encontrar uma solução para não encerrar o atendimento. Já que o Banco do Brasil localizado próximo à praça de Fátima possui cerca de 17 funcionários além de atender em média 8 mil clientes.

“A audiência pública foi convocada pelo sindicato dos bancários porquê de fato, havia possibilidade de fechamento. Tivemos a garantia de que a agencia não vai fechar, ela vai ser deslocada para a agencia que foi fechada, da Praça da Cultura. A gente pediu pra ela também a garantia dos serviços. E serviço adequado para os clientes”, afirmou o vereador Aurélio Gomes (PT).

De acordo com o superintendente do Banco do Brasil do Maranhão, Raul Abreu, o contrato de aluguel venceu, por isso haverá a transferência. “O Banco do Brasil, como tem trâmites e questões legais entrou com uma ação de negociação desse contrato. Houve uma decisão agora, desfavorável ao banco. Mas o banco está recorrendo, pois quer continuar aberto atendendo os clientes tanto fisicamente quanto digitalmente”.

Há quase um ano a agência bancária da Praça da Cultura foi fechada, com isso, houve um remanejamento de dez funcionários para três outras agências do banco na cidade. De acordo com o Sindicado dos Bancários do Maranhão, a redução prejudicou ainda mais o atendimento e o tempo de espera nas filas aumentou.

“O sindicato demonstra preocupação com essa possibilidade. Nós fomos informados de que haveria a migração, transferência de clientes da agencia da praça de Fátima para as agências da Bernardo Sayão e Getúlio Vargas. Nós sabemos que a estrutura de atendimento já é precária, imagina só duas agências funcionando”, indaga o diretor regional do sindicato, João Signez.