Home Maranhão São Luís Em escritório próprio, homem aplica golpes com crédito de financiamento

Em escritório próprio, homem aplica golpes com crédito de financiamento

Em escritório próprio, homem aplica golpes com crédito de financiamento

SÃO LUÍS – Um homem que se apresentava como “Marcelo”, tem aplicado golpes na última semana, na capital, em pessoas que desejam comprar veículos. Bem-vestido e com aparência idônea, segundo descrevem as vítimas, o homem alugou até um ponto na Rua do Alecrim, onde aliciou os seus alvos, prometendo crédito fácil em troca de documentos e uma entrada R$ 2.500.

Uma das pessoas que acreditou no golpe foi Rogério Figueiredo Martins Filho, de 24 anos. Ele e a esposa queriam comprar um veículo modelo Pálio, que estava sendo vendido por R$ 16.500. Ao navegarem em um site de anúncios, o casal encontrou uma propaganda atraente de uma agência que oferecia crédito fácil.

A negociação começou online e terminou no que parecia ser o escritório do sujeito. “Parecia muito sério, eu jamais desconfiei”, diz Rogério. Depois da negociação no escritório, ele e o agente de crédito marcaram um encontro num condomínio na Maioba para ver de perto o veículo que ele iria comprar.

Em seguida, Rogério transferiu a quantia para o homem, junto aos documentos de identidade e endereço, mas a quantia prometida por ele para concluir a compra do carro nunca caiu em sua conta.

“O que foi mais atraente foi o fato de que ele conseguiu parcelas de R$ 450 em 48 vezes, o que era perfeito para mim. Depois que estava tudo certo, ele simplesmente sumiu”, reclama a vítima.

Indignado com o golpe, Rogério foi ao escritório de “Marcelo” mas ele não estava mais lá. “As funcionárias do prédio me contaram que ele tinha sumido e que o ponto tinha sido alugado havia apenas 5 dias”, conta. “Fui à delegacia e tinham mais 6 vítimas denunciando o mesmo homem”, afirma Rogério.

“Marcelo”  ainda não foi localizado, mas o dono do prédio em que ele alugou um escritório também o denunciou à polícia por não ter pago o valor correspondente.

O caso agora será investigado pela polícia civil.