Home Polícia Em audiência, irmã diz que Iarla terminaria namoro no dia em que foi morta

Em audiência, irmã diz que Iarla terminaria namoro no dia em que foi morta

Em audiência, irmã diz que Iarla terminaria namoro no dia em que foi morta

Pela primeira vez após o assassinato da filha, dona Dulcinéia Lima encontrou o ex-tenente do Exército José Ricardo da Silva Neto. Ele é acusado de matar sua então namorada Iarla Lima Barbosa, filha da dona Dulcinéia. O caso aconteceu em junho deste ano, após o casal sair de um bar localizado na zona Leste de Teresina.

Na plateia, a mãe de Iarla rezou antes do início da audiência, que aconteceu na manhã desta quarta-feira (22) no Fórum Criminal, e chorou. Já o acusado acompanhou a sessão de cabeça de baixa. A irmã de Iarla, que foi atingida de raspão na cabeça, foi a primeira a ser ouvida na condição de vítima.

Ao todo foram arroladas 11 testemunhas de defesa do réu e oito pelo Ministério Público. A audiência é para definir se o ex-tenente vai para júri popular ou não. O juiz Antônio Noleto e o promotor Ubiraci Rocha participam da sessão.

Durante o interrogatório, a irmã de Iarla, Ilana Lima, contou que o suspeito era muito ciumento e descreveu o que ocorreu antes dos disparos.

“Ele tinha ciúmes de tudo, até se uma pessoa olhava para ela. Sempre tentava descobrir a senha do celular. No dia da festa, ele disse que estava passando mal e foi buscar a gente no banheiro para ir embora. Lá fora, ele perguntou se minha irmã achava que ele era criança porque ela [Iarla] tinha dançado com todo mundo. Mas minha irmã só dançou com os nossos amigos. Logo, ele pegou a arma e disparou”,  relatou a irmã de Iarla.

Após ouvir as duas vítimas que sobreviveram aos disparos, o magistrado deu início ao interrogatório das testemunhas, por volta das 11h45. O primeiro a ser ouvido foi um policial militar que fez a prisão do acusado.

O julgamento deve se estender por todo o dia.

Término do namoro

Durante o interrogatório, a irmã chorou ao  relembrar que  Iarla confessou que ia terminar o namoro com o acusado.

“No dia anterior  ao que aconteceu, ele dormiu com ela lá em casa. Já na manhã de domingo, minha irmã disse que ia terminar porque ele era muito ciumento, mas não sei se ela chegou a terminar”, disse chorando a irmã. Iarla e o tenente oficializaram o namoro em 12 de junho, dia dos namorados. Para celebrar a data, o acusado deu um buquê de flores para a jovem. Uma semana depois a jovem foi morta.

Testemunha

Josiane Mesquita, amiga de Iarla que estava no carro onde ocorreu o homicídio e também foi baleada, foi a segunda pessoa a ser ouvida. Ela – que também prestou depoimento na condição de vítima – confirmou a versão de Ilana e também chorou ao relembrar a morte.

“Eles saíram da festa de mãos dadas. Já no carro, ele perguntou se a Iarla pensou que ele era criança e já foi atirando. Ela [Iarla]  não teve chances de falar nada”, disse com lágrimas Josiane que foi atingida com dois tiros e ainda tem uma bala alojada no braço.

Josiane chorou também ao relembrar que os médicos que a atenderam informaram que se a bala não tivesse pego de raspão, ela teria morrido no local.

“A bala do peito pegou de raspão. Os médicos falaram que se tivesse entrado, eu teria morrido. Só não entrou por conta do aro do sutiã que sacou fora. Fui salva pelo sutiã, disse Josiane.

 

Homenagem

A dor pela perda da jovem Iarla Barbosa, assassinada pelo namorado em junho, ainda machuca muito os familiares. Para homenagear a jovem, a irmã e uma prima da vítima resolveram tatuar uma boneca e a assinatura de Iarla.

“A gente era muito unida e havíamos combinado de fazer uma tatuagem para celebrar nossa amizade. Mas minha tia nunca deixou. A nossa ideia era fazer três bonequinhas em um balanço simbolizando nós três”, disse a prima Glenda Barbosa.

Com a ida precoce de Iarla, as jovens tatuaram no braço apenas uma das bonecas. “Ela vai estar sempre conosco. Não tem como não lembrar dela”, acrescenta a prima, emocionada.

Cidadeverde.com

Leia também

Decretada prisão preventiva de tenente que matou namorada

MP denuncia tenente por morte de Iarla: “discriminação à condição de mulher”

Tenente acusado de matar namorada é expulso do Exército