Home Maranhão Menina ocupa cargo de secretária estadual da Saúde por um dia

Menina ocupa cargo de secretária estadual da Saúde por um dia

Menina ocupa cargo de secretária estadual da Saúde por um dia

A Secretaria Estadual de Saúde do Maranhão foi ocupada, na manhã desta quarta-feira (11), por Ervilly Sousa, de 16 anos, moradora da Vila Esperança. Ela é integrante do movimento “Meninas ocupam”, da organização não-governamental Plan Internacional, que estimula a liderança entre meninas ao oportunizar a vivência em cargos de gestão.

Ervilly Souza esteve em reunião com o secretário Carlos Lula e com a subsecretária Karla Trindade para conhecer as responsabilidades do cargo de secretária de Saúde, entregar uma carta com proposições ao público adolescente e saber como funciona a rede estadual de saúde.

O encontro aconteceu exatamente no Dia Internacional da Menina, instituído pela Organização das Nações Unidas, em 2011. O movimento “Meninas ocupam” integra as ações de 2017 do projeto Por ser Menina, de âmbito global e que busca garantir que todas as meninas possam aprender, liderar, decidir e progredir.

Em São Luís, 30 jovens ocuparão cargos nos âmbitos político, público e financeiro. A ideia é empoderar as integrantes e levantar pautas pertinentes a este público.

Para o titular da SES, Carlos Lula, a ocupação do cargo por uma menina é muito simbólico. “Incentivar essas meninas a entender como funciona a engrenagem do sistema de saúde, a ser secretária por um dia é importante para vislumbrar o futuro com mais igualdade”, disse.

Visita
Acompanhada das jovens assessoras Amanda Cristina, de 18 anos, moradora da Vila Samara, e Thais Lacerda, de 16 anos, da Vila Maranhão, e ainda da gerente de projetos da Plan Internacional, Poliana Cozzi, Ervilly entregou uma lista de proposições e fragilidades identificadas nas comunidades rurais e semiurbanas onde o projeto atua.

A jovem já havia participado na terça-feira (10) da inauguração do Hospital de Traumatologia e Ortopedia (HTO), no bairro Jardim Eldorado, em São Luís. A unidade é a primeira do estado destinada ao atendimento das demandas de alta complexidade e exclusiva na área.

“Achei importante ser secretária por um dia, pude ver de fato o que acontece e qual é a realidade da secretaria. Aprendi muitas coisas”, comentou Ervilly.

A subsecretária Karla Trindade reforçou a importância de se abrir às portas para um projeto cujo objetivo é intervir para um modelo de sociedade mais justo para as mulheres: “Cada vez mais as mulheres têm ocupado espaços na sociedade. É importante que as meninas conheçam, vejam e se espelhem em outras para que lutem e tenham acesso a oportunidades”.

Sobre as demandas apresentadas pelas três jovens do movimento, o secretário Carlos Lula garantiu que serão analisadas. “Mais importante do que a ocupação por si só dos espaços é saber o que fazer com ele. A Ervilly trouxe uma carta com muitas demandas em diversas áreas. Vamos ver o que podemos atender e encaminhar aquelas que não são de nossa competência”, frisou.

“Percebemos com o relato dela que existe um vazio no atendimento de adolescentes de 12 a 18 anos no Sistema Único de Saúde; isso pode ser uma bandeira não só das meninas, mas também do Estado para discutir com o Ministério da Saúde”, finalizou.

Agência Brasil