Home Maranhão Sem chuvas, Maranhão, Piauí e Bahia atrasam início do plantio

Sem chuvas, Maranhão, Piauí e Bahia atrasam início do plantio

Sem chuvas, Maranhão, Piauí e Bahia atrasam início do plantio

As previsões de chuva para essa semana foram frustradas no oeste da Bahia, Tocantins, Piauí e Maranhão. As temperaturas têm se mantido elevadas e o céu, aberto.

Para os próximos dias as previsões são de calor e pouca umidade. O tempo seguirá aberto e sem chuvas previstas para os próximos 10 dias, o que inviabiliza também qualquer oportunidade de se iniciar o plantio da soja e do milho em toda a região.

As chuvas só deverão chegar ao Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia após o dia 20/10. Até lá, o tempo segue aberto e sem chuva generalizada.

VAZIO SANITÁRIO

A produção da soja no Maranhão também irá atrasar devido ao Vazio Sanitário, que impede o plantio até o dia 15 de novembro.

‘Vazio sanitário’ é o nome que se dá ao período em que é proibida a plantação de soja. É um período que tem o objetivo de interromper o ciclo de vida do fungo que causa a ferrugem asiática. Devido à extensão do Maranhão, existem dois períodos de ‘vazio sanitário’ no estado, uma vez que a disseminação da doença também está relacionada com as condições climáticas.

Para controlar o aparecimento da praga de maior impacto na cultura da soja, a Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged) iniciou as operações de fiscalização do ‘vazio sanitário’ da soja, que vai de 15 de setembro a 15 de novembro, nas microrregiões da Baixada Maranhense, Baixo Parnaíba, Caxias, Chapadinha, Codó, Coelho Neto, Gurupi, Itapecuru-Mirim, Lençóis Maranhenses, Litoral Ocidental, Médio Mearim, Pindaré, Presidente Dutra e Rosário.

A preocupação com a disseminação do fungo se deve às enormes perdas que pode causar. Segundo dados da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Embrapa), na safra 2001/02, durante a qual se estima que mais de 60% da área de soja do Brasil foi atingida, houve perda de 112.000 t ou US$24,70 milhões. Desde 2007, o controle da doença é feita por meio do Programa Nacional de Controle da Ferrugem Asiática da Soja, que inclui a iniciativa pública e privada.