Home Maranhão Imperatriz Projeto da UFMA digitaliza jornais antigos de Imperatriz

Projeto da UFMA digitaliza jornais antigos de Imperatriz

Projeto da UFMA digitaliza jornais antigos de Imperatriz

Milhares de páginas de jornais da cidade vão ser digitalizadas e disponibilizadas à comunidade em plataforma online até o final de 2017. O trabalho é realizado pela equipe do projeto de Digitalização dos jornais de Imperatriz-MA, coordenado pela professora Roseane Arcanjo Pinheiro, do curso de Jornalismo, da Universidade Federal do Maranhão, campus Imperatriz.

O projeto conta com várias edições de 18 jornais, que circularam entre 1970 e 2015, em Imperatriz e região. São 15 alunos do curso que colaboram com o projeto.

“A gente não tem só o trabalho de escanear, e sim de ler os jornais e também entender essa imprensa. São impressos dos anos 70, 80, 90 que foi uma fase onde teve várias mudanças, tanto na política, econômica e culturais. É importante porque a gente conservar essa história e memória. Nós queremos que todos tenham acesso”, diz a professora.

Com o projeto, parte da memória do Jornalismo de Imperatriz vai para a internet. A iniciativa conta com recurso financeiro da Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico do Maranhão (Fapema) que selecionou o trabalho através de edital para modernizar acervos públicos de todo o Estado.

“Estamos trabalhando não só sentido de construir e deixar documentada a história dos jornais em imperatriz, mas sim do jornalismo, da imprensa e escrita. O curso tem interesse em construir essa trajetória jornalística”, afirma o coordenador do curso de Comunicação Social/Jornalismo, Carlos Claudino.

O curso de Jornalismo tem um acervo setorial, desde 2010, com livros, monografias, jornais de outros estados, coleções de revistas, entre outros itens. O espaço foi recebendo também vários impressos da cidade através de doações.

Ao lado desses itens, chegaram também jornais de Imperatriz, de Açailândia e até de Carolina. A equipe do projeto, além de organizar a plataforma digital com o material jornalístico, também pretende estudar a produção de notícias nesses veículos impressos e apresentar resultados da pesquisa em eventos científicos do campo da comunicação.

“Isso significa perpetuar memória de Imperatriz e saber toda a história de nossa cidade, conhecer por quais processos que ela passou. É muito importante ter esse engajamento de recuperar a história e perpetuar para outras gerações”, afirma a estudante do 8° período de jornalismo, Letícia Barreto.