Home Maranhão Estado deve transferir paciente de leptomeningite em Cantanhede para UTI

Estado deve transferir paciente de leptomeningite em Cantanhede para UTI

Estado deve transferir paciente de leptomeningite em Cantanhede para UTI

Sofrendo de leptomeningite, grave doença que causa  confusão mental e agitação psicomotora, o menor identificado como J.T.B. deve ser transferido para um leito de unidade de Terapia Intensiva (UTI) da rede pública do estado. A decisão judicial obriga o Estado do Maranhão a custear as despesas do tratamento do menor e sua transferência em prazo máximo de 24h, sob pena de multa diária no valor de R$ 1.000,00. Caso não seja encontrada vaga na rede pública de saúde, por motivo de superlotação, que a internação ocorra em hospital da rede privada, conveniada ou não ao SUS, desde que não seja necessário retirar algum paciente já internado que também necessite de tratamento intensivo. Atualmente o paciente se encontra internado no hospital UDI, que informou à rede pública a necessidade de transferência do paciente para hospital público.

O Estado do Maranhão deverá arcar com todas as despesas do tratamento, bem como providenciar o transporte do paciente até o hospital, sob pena de multa diária no valor de R$ 1.000,00, tendo em vista o relato do paciente de não possuir condições financeiras de pagar pela internação na rede hospitalar privada, a qual já se encontra “orçada em valores astronômicos”.

Segundo os autos, a necessidade de transferência do paciente para um hospital da rede pública compatível com o grau de complexidade da enfermidade do paciente foi comunicada aos familiares pela direção do Hospital UDI, onde ele se encontra; mas os familiares fizeram inúmeras solicitações junto à Secretaria de Saúde do Estado, sem que os pedidos fossem atendidos.

UTI – Conforme laudo médico, o paciente sofre de confusão mental e agitação psicomotora que comprovam a necessidade de transferência para uma UTI, em caráter de urgência, sob pena de ter agravado seu estado de saúde, para que receba o necessário atendimento adequado à sua situação, incluindo a medicação indispensável ao tratamento.

“Tendo em vista a necessidade da urgência na transferência do paciente para hospital com leito de UTI, bem como diante de sua ausência de condições financeiras para custear o procedimento em rede particular, restou comprovada a probabilidade do seu direito”, declarou a juíza na decisão.

Na decisão a juíza considerou, ainda, que “a dignidade da pessoa humana, como fundamento da República Federativa do Brasil, tem aptidão para obrigar o Estado a prestar assistência aos seus cidadãos, fomentando ou facilitando o acesso deles aos meios de tratamento adequados, a fim de que sejam preservadas a saúde e a vida de todos aqueles que necessitarem de tal proteção”.

A íntegra da decisão segue abaixo, em arquivos publicados.