HomeNotíciasMundo Trump chama KKK, neonazistas e supremacistas brancos de “repugnantes”

Trump chama KKK, neonazistas e supremacistas brancos de “repugnantes”

Trump chama KKK, neonazistas e supremacistas brancos de “repugnantes”

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, condenou nesta segunda-feira a Ku Klux Klan (KKK), os neonazistas, os supremacistas brancos “e outros grupos de ódio”, 48 horas depois que um jovem atropelou um grupo de manifestantes antifascistas em Charlottesville, na Virgínia.

“O racismo é maligno e aqueles que causam violência em seu nome são criminosos e bandidos, incluindo KKK, neonazistas, supremacistas brancos e outros grupos de ódio que são repugnantes para tudo o que defendemos como americanos”, disse Trump em uma declaração televisionada e fechada a perguntas na Casa Branca.

“Todos os que atuaram de forma criminosa na violência racista deste final de semana prestarão contas completamente. A justiça será feita”, acrescentou o presidente americano.

Trump, que começou seu pronunciamento destacando o bom momento da economia durante seu mandato, fez esta condenação dos grupos de ódio após dois dias nos quais recebeu múltiplas críticas, inclusive de seu partido, por ter condenado no sábado “o ódio e o fanatismo” de “múltiplas partes”, sem assinalar os supremacistas que convocaram a marcha em Charlottesville.

Após a sua declaração não houve perguntas, apesar de na sexta-feira ter anunciado que hoje daria uma “grande entrevista coletiva” na Casa Branca, sem especificar o tema.

Trump disse hoje que o “ódio, a intolerância e a violência não têm espaço nos Estados Unidos”, e condenou o “horrível ataque e a violência que todo o mundo viu” no sábado.

“Nós somos uma nação fundada na verdade de que todos nós somos criados iguais. Nós somos iguais aos olhos do Criador (…) Não importa a cor de nossa pele, nós todos vivemos sob as mesmas leis”, destacou.

Além disso, lembrou que como candidato prometeu “restaurar a lei e a ordem” no país, algo que as agências federais estão “cumprindo”, de modo que o governo não poupará recursos para que ” todas as crianças cresçam seguras”.

Trump se reuniu hoje em Washington com o procurador-geral, Jeff Sessions, e com o diretor do FBI, Christopher Wray, para abordar o ataque de Charlottesville, em um parêntese das suas férias em Bedminster, em Nova Jersey.

Sessions afirmou hoje na emissora televisiva “ABC”, antes do pronunciamento de Trump, que o “maligno ataque” do sábado em Charlottesville cumpre os preceitos legais para ser considerado “terrorismo doméstico”, algo ao que Trump não se referiu na sua declaração.