Home Maranhão Imperatriz Usuários do SUS reclamam da demora no agendamento de consultas

Usuários do SUS reclamam da demora no agendamento de consultas

Usuários do SUS reclamam da demora no agendamento de consultas

Usuários do SUS (Sistema Único de Saúde) reclamam da demora em marcar consultas no Posto de Saúde Três Poderes, em Imperatriz. De acordo com a coordenação da unidade, normalmente para conseguir marcar uma consulta o tempo mínimo é de um mês. Nesse tempo de espera, muitos pacientes que precisam de consultas médicas acabam piorando o estado de saúde. É o caso da mãe da dona de casa Marilene Mota, que precisa se consultar com um especialista em doenças pulmonares devido ao seu problema no pulmão.

O pré agendamento da consulta da mãe de Marilene estava marcado para o dia 31 de julho, mas a filha conta que já foi remarcado para o dia 24 de agosto, mais um mês de espera e angústia.

“Eu cheguei seis horas da manhã (do dia 31 de julho) e fiquei até o meio dia na fila. Quando chega nesse horário eles encerram o expediente, como não deu tempo de atenderem pela manhã eles deram uma senha pra gente vim duas horas da tarde e falou pra gente que seríamos os primeiros a serem atendidos”, conta Marinete.

Depois desse horário marcado, dona Marilene conta que foram colocados cerca de vinte pessoas em sua frente, o que dificultou o seu atendimento. Após uma hora do ocorrido, foram colocadas mais pessoas na frente da mulher e dos outros que estavam na mesma situação que ela. Por volta das 16h da tarde de ontem, um funcionário perguntou aos usuários quem iria fazer consulta com médico pulmonar, dona Marilene, na esperança de marcar consulta para sua mãe, pensou que fosse ter seu problema resolvido, mas só foi adiado.

“Achei que nessa próxima semana eu iria apenas pegar a consulta e minha mãe seria atendida. Mas isso não aconteceu. Pegaram meu papel e remarcaram para o dia 24 de agosto, sendo que eu já estava esperando a mais de um mês. Agora eu vou esperar mais outro mês, correndo o risco de chegar cedo do dia marcado, enfrentar todo esse tumulto e não ser atendida. A minha reclamação é essa, já que eles pegaram meu papel, por que não marcaram a consulta para minha mãe?”, relata a filha.

Segundo a coordenação do Posto de Saúde, as vagas para alguns tipos de consultas se excedem e quando isso acontece o paciente fica em uma fila de espera, formada automaticamente no sistema virtual de apoio da unidade de saúde.

Mais reclamações

Outro problema relatado é a falta de aplicação de vacina, como a BCG. O neto de um mês da cabeleireira Lucia de Carvalho ainda não foi vacinado devido à falta da vacina no Posto da Vila Cafeteira. Preocupada com seu neto, tentou atendimento no Posto Três Poderes mas devido um problema de pagamento do funcionário responsável pela aplicação, isso não aconteceu.

“Eles disseram que não podem aplicar a vacina porque simplesmente o salário de quem aplica a vacina está atrasado. Por isso, me encaminharam para outro bairro e fica muito difícil para eu me deslocar dessa forma. O bebê é prematura e não pode ficar se deslocando no período do sol quente, estou procurando saúde pra ele e não doença.  É uma simples vacina, isso é um desrespeito com a sociedade de Imperatriz em não aplicar uma vacina por causa do salário de um funcionário”, lamenta a avó.

Segundo a direção do posto, a coordenação da atenção básica já foi informada sobre o ocorrido e o problema deve ser solucionado.

Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde informa que a fila de hoje é decorrente das marcações das especialidades como otorrino, endócrino, cardiologia, ortopedia, neurologia e oftalmologia, entre outras, que são liberadas todo mês de acordo com o contrato vigente que determina um número de consultas e procedimentos a serem realizados mensalmente.

A prefeitura ainda diz que existe uma demanda muito maior que a oferta, porque a Secretaria de Saúde atende um alto número de pessoas de outras cidades e os recursos que administra são baseados na quantidade de pessoas que residem aqui em Imperatriz.

A secretaria ainda ressalta que tem um quantitativo a ser atendido por mês, não podendo abrir agenda com um número maior de vagas no momento.