HomeNotíciasMundo Alunos desenvolvem projeto de inteligência computacional em Imperatriz

Alunos desenvolvem projeto de inteligência computacional em Imperatriz

Alunos desenvolvem projeto de inteligência computacional em Imperatriz

Os alunos do curso de Engenharia Elétrica, do Instituto Federal do Maranhão – IFMA, campus Imperatriz, estão desenvolvendo um projeto que envolve inteligência computacional e artificial, com veículos aéreos não tripuláveis. O projeto de pesquisa está em andamento desde o início de 2017.

A ideia é fazer com que um drone, por exemplo, consiga funcionar sem o controle de alguma pessoa, ou seja, que a máquina possa funcionar por contra própria, sem alguma interferência humana.

O integrante do projeto, Jorge Sampaio, desenvolve uma pesquisa com um drone e diz já ser possível “que o aparelho pense como um ser humano e de forma autônoma”. Segundo o acadêmico, com o desenvolvimento desse tipo de inteligência, o dispositivo pode ir de um local para outro, com uma programação prévia, sem que alguém esteja o tempo todo controlando o aparelho.

De acordo com o professor e coordenador do Laboratório de Controle e Inteligência Computacional, Edson Costa, na qual estes projetos estão em andamento, o objetivo do grupo de pesquisa é desenvolver algum tipo de inteligência para os aparelhos, e não a aplicação dela. “Atualmente estamos aplicando esse sistema aos veículos aéreos não tripuláveis, e também para processo industrial, como fornos e caldeiras”, completa Edson.

Jorge ainda acrescenta que o uso da inteligência na qual ele desenvolve pode ser utilizada para fins de fiscalização ambiental. “Também pode ser feito um controle ambiental, que é um caos na sociedade hoje, como os casos de queimadas ou desmatamentos. Como o monitoramento de um drone que funcione de forma autônoma, essas informações que poderiam passar dias ou horas para chegar em alguma base, agora pode aparecer mais rápido”.

O professor Bruno ainda destaca que este tipo de tecnologia está em fase de desenvolvimento em outros países como Alemanha, Inglaterra e Estados Unidos, o que coloca a cidade de Imperatriz com visibilidade a nível internacional, na área científica e tecnológica.

O projeto também foi contemplado com apoio financeiro da Fundação de Amparo à Pesquisa do Maranhão (Fapema), no valor de R$ 10 mil. O professor ressalta que são importantes estes auxílios financeiros para o bom andamento das pesquisas, pois assim não seria possível comprar os materiais necessários.