Home Cultura Cinema Mostra Internacional de Cinema inicia com programação gratuita

Mostra Internacional de Cinema inicia com programação gratuita

Mostra Internacional de Cinema inicia com programação gratuita

Inicia nesta quarta-feira (12) e vai até o dia 18 de julho de 2017, no Cine Praia Grande, no Centro Histórico, a primeira edição da Mostra Internacional de Cinema de São Luís, que apresentará gratuitamente ao público ludovicense um panorama internacional do cinema contemporâneo e promoverá o resgate de grandes clássicos que serão projetados na telona – uma experiência audiovisual insubstituível. A cerimônia de abertura acontece hoje (12), às 18h30. . Na ocasião, será homenageado o renomado diretor de fotografia Affonso Beato. Além da homenagem, acontecerá o lançamento do calendário de cursos da Escola de Cinema do Maranhão – IEMA e a exibição do documentário “As Cores de Affonso Beato” dirigido por Betse de Paula e Jacques Cheuiche.

Estará presente também Manoel Rangel, diretor-presidente da Agência Nacional de Cinema (ANCINE) de 2006 a 2017. 

A abertura contará com a pré-estreia do curta-metragem “O Projecionista”, dirigido por Marcos Ponts e interpretado por Mario Baldez – verdadeiro projecionista do Cine Praia Grande. 

Serão exibidos filmes de diversas nacionalidades que foram selecionados nos mais importantes festivais de cinema ao redor do mundo (Cannes, Locarno, Veneza, Toronto e Tiradentes).

A Sessão Clássicos conta com um recorte de filmes do gênero de ficção científica que apresentam abordagens e linguagens distintas, buscando a diversidade e a pluralidade.

Além da exibição de filmes, serão oferecidos gratuitamente os cursos A Fotografia no Cinema – ministrado pelo próprio  Affonso Beato -, o Laboratório de Crítica Cinematográfica – ministrado por Márcio Sallem – e a oficina O Ator e a Câmera – ministrado pelo ator João Campos. Todos os cursos serão certificados pelo IEMA.

A Mostra Internacional de Cinema de São Luís terá três sessões diárias:

1. Mostra Affonso Beato

2. Mostra Competitiva de Curtas e Longas

3. Sessão Clássicos

No dia do encerramento – quarta, 18 de julho – serão anunciados os filmes premiados na sessão de encerramento, que contará com a exibição do filme “Um Maranhense Chamado José Ribamar – A Arte Existe Porque a Vida Não Basta”, de Zelito Viana e Gabriela Gastal. O documentário é um grande tributo à contribuição de Ferreira Gullar ao mundo das artes. Textos célebres do escritor são dramatizados por Marco Nanini e seus poemas ainda ganham versões musicadas no violão de Paulinho da Viola e nas vozes de Adriana Calcanhotto e Laila Garin.

Todas as sessões acontecem no Cine Praia Grande e tem entrada gratuita, com distribuição dos ingressos a partir de 30 minutos antes de cada sessão.

Mostra Affonso Beato

A primeira edição da Mostra Internacional de Cinema de São Luís homenageará Affonso Beato – um dos maiores nomes da cinematografia mundial, diretor de fotografia de filmes inesquecíveis de cineastas que marcaram a História do cinema, como Pedro Almodóvar, Glauber Rocha e Stephen Frears.

No Cine Praia Grande, de 13 a 18 de julho, às 16 horas, será exibido um filme que tem a fotografia assinada por Affonso Beato. Após as exibições, Beato irá discutir e debater com o público sobre o processo de criação e desenvolvimento destes filmes.

Na quinta-feira, será exibido “Tudo Sobre Minha Mãe”, obra-prima de Pedro Almodóvar, que lhe rendeu o prêmio de Melhor Direção no Festival de Cannes de 1999 e o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 2000, e conta com atuações de Penelope Cruz, Marisa Paredes, Cecilia Roth e Candela Peña.

A obra-prima de Glauber Rocha “O Dragão da Maldade Contra o Santo Guerreiro” é o filme da sexta-feira. Vencedor do prêmio de Melhor Direção no Festival de Cannes de 1969 e considerado uma das obras mais importantes do movimento Cinema Novo. Um filme que mistura o ritual antropofágico Nordestino, sua “seita” e seu folclore ao encontro apoteótico com uma forma diferente de se fazer cinema, seguindo os parâmetros do cinema novo.

No sábado, será exibida a comédia de 2001 “Ghost World: Aprendendo a Viver”, com Scarlett Johansson, Thora Birch e Steve Buscemi. O filme é baseado na história em quadrinhos de Daniel Clowes, publicada em 1997, ainda hoje cultuada entre teenagers. 


O domingo será dedicado ao explosivo “Great Balls Of Fire – A Fera do Rock”, clássico de 1988 de Jim McBride, com Dennis Quaid e Winona Ryder. O filme conta a turbulenta biografia de Jerry Lee Lewis, um dos pais do rock and roll. 

Na segunda-feira, será exibido mais um filme de Pedro Almodóvar. Desta vez “A Flor do Meu Segredo”, melodrama com uma das melhores atuações de Marisa Paredes. O filme conta inclusive com a canção “Tonada de Luna Llena”, cantada por Caetano Veloso.

O último filme, que será exibido na terça, 18 de julho, é a comédia “Resistindo às Tentações”, dirigida por Jonathan Lynn e interpretada por Cuba Gooding Jr. e Beyoncé.

Seleção Competitiva de Longas e Curtas

Com curadoria de Lucas Sá, Marcos Ponts e Raffaele Petrini, a Seleção Competitiva é composta por cinco longas-metragens e dez curtas que traçam um panorama  sólido do cinema mundial contemporâneo. 

QUI (13.07)
DEUS (Dir. Vinicius Silva, Brasil)
BALANÇA BRASIL (Dir. Carlos Segundo, Brasil)
SEX (14.07)
VANDO VULGO VEDITA (Dir. Andréia Pires e Leonardo Mouramateus, Brasil)
O DELÍRIO É A REDENÇÃO DOS AFLITOS (Dir. Fellipe Fernandes, Brasil)SAB (15.07)
ALGO DO QUE FICA (Dir. Benedito Ferreira, Brasil)
60 PRIMAVERAS ( Dir. Ana Guevara e Leticia Jorge, Uruguai / Argentina)DOM (16.07)
FATIMA MARIE TORRES E A INVASÃO DO ÔNIBUS ESPACIAL PINAS 25 (Dir. Carlo Francisco Manatad, Filipinas)
ÓTIMO AMARELO (Dir. Marcus Curvelo, Brasil)SEG (17.07)
CAMINHO DOS GIGANTES (Dir. Alois Di Leo, Brasil)
O SILÊNCIO (Dir. Ali Asgari e Farnoosh Samadi)Todos os filmes da Competitiva serão reprisados no dia seguinte às 13h30.

 

Veja lista de filmes selecionados para a mostra competitiva. 

1. Deus (Brasil – 2016), de Vinicius Silva

2. O Silêncio (Itália / França – 2016), de Ali Asgari e Farnoosh Samadi

3. Vando Vulgo Vedita (Brasil – 2016), de Andréia Pires e Leonardo Mouramateus

4. O Delírio é a Redenção dos Aflitos(Brasil – 2016), de Fellipe Fernandes
5. Algo do que Fica (Brasil – 2017), de Benedito Ferreira 

6. 60 Primaveras (Uruguai/Argentina – 2015), de Ana Guevara e Leticia Jorge

7. Fatima Torres Marie e a Invasão do Ônibus Espacial Pinas 25 (Filipinas – 2016), de Carlo Francisco Manatad

8. Ótimo Amarelo (Brasil – 2016), de Marcus Curvelo

9. Balança Brasil (Brasil – 2017), de Carlos Segundo

Foram selecionados os longas-metragens:

1. Baronesa (Brasil – 2017), de Juliana Antunes

2. Nocturama (França/Alemanha/Bélgica – 2016), de Bertrand Bonello

3. Histórias Que Nosso Cinema (Não) Contava (Brasil – 2017), de Fernanda Pessoa

4. A Lei da Selva (França – 2016), de Antonin Peretjatko

5. Pericle Il Nero (Itália – 2016), de Stefano Mordini

Sessão Clássicos

A experiência coletiva da fruição de um filme na sala de cinema é uma experiência única e insubstituível. Para isso, a Mostra Internacional de Cinema de São Luís preparou um programa de clássicos do cinema para serem vistos na tela do Cine Praia Grande.


Foi realizado um recorte do gênero de ficção científica, com cinco filmes que marcaram a história da sétima arte.

Na quinta-sexta, 13 de julho, será exibido “O Quinto Elemento”, de Luc Besson – a ficção científica francesa com Bruce Willis e Milla Jovovich completa vinte anos de lançamento neste ano e será exibido em versão remasterizada.

Na sexta-feira será exibido “Blade Runner: O Caçador de Andróides” na versão The Final Cut, montada pelo próprio diretor Ridley Scott e considerada como cópia mais próxima da visão do diretor, com cenas que a Warner Bros cortou da cópia lançada. 

No sábado será o dia do musical “The Rocky Horror Picture Show”, de Jim Sheridan, com Tim Curry e Susan Sarandon.

Domingo exibiremos o anime “Perfect Blue”, de Satoshi Kon, filme que inspirou Darren Aronofsky a realizar seu pluripremiado “Cisne Negro”.

Na segunda-feira encerraremos os clássicos com o filme “Eu Te Amo”, dirigido em 1981 por Arnaldo Jabor, com Sonia Braga, Vera FIscher e Regina Casé.

Curso, Oficina e Laboratório

1. Curso A Fotografia no Cinema com Affonso Beato

Serão seis encontros entre os dias 13 a 18 de julho, das 16 às 19 horas, no Cine Praia Grande. Em cada encontro, será exibido um filme fotografado por Beato seguido da sua exposição sobre o conceito imagético da obra. 

O curso “A Fotografia no Cinema” terá certificação da Escola de Cinema do Maranhão – IEMA, com carga horária de 18 horas.

2. Oficina O Ator e a Câmera com João Campos

Técnicas de preparação, concentração e continuidade em uma oficina ministrada pelo ator João Campos.

A oficina terá dois encontros nos dias e acontecerá nos dias 15 e 16 de julho, das 15h às 18h na Escola de Cinema do Maranhão – IEMA (Rua Portugal).

A oficina terá certificação da Escola de Cinema do Maranhão – IEMA, com carga horária de 6 horas.

3. Laboratório de Crítica Cinematográfica com Marcio Sallem

Durante o laboratório, os alunos escreverão críticas de todos os filmes exibidos na Mostra Internacional de Cinema de São Luís. Estes textos serão copilados, editados e publicados pela Escola de Cinema do Maranhão – IEMA.

As aulas são gratuitas e serão realizadas na Escola de Cinema do Maranhão, localizada no Centro Histórico de São Luís, entre 12 a 14 de julho de 2017 das 9hrs às 12hrs.

O Laboratório de Crítica Cinematográfica terá certificação da Escola de Cinema do Maranhão – IEMA, com carga horária de 9 horas.

Sobre Affonso Beato

Affonso Henrique Ferreira Beato é um dos mais renomados fotógrafos do cinema brasileiro. 

Carrega em seu nome artístico, Affonso Beato, as siglas ASC – American Society of Cinematography – e ABC – Associação Brasileira de Cinematografia, que são resultado de sua bem-sucedida carreira, que há mais de 30 anos se divide entre o Brasil e os Estados Unidos, onde vive atualmente. 

Beato nasceu no dia 13 de julho de 1941 na cidade do Rio de Janeiro. No início dos anos 1960 estudou na Escola Nacional de Belas Artes e também na cinemateca do MAM, onde conheceu diversos nomes importantes do cinema nacional, como os cineastas Cacá Diegues e David Neves. 

Suas primeiras lições de cinematografia foram ensinadas pelo fotógrafo argentino Ricardo Aronovich, AFC, ABC, que assina a fotografia de filmes como “Os Fuzis” (Ruy Guerra, 1964) e “São Paulo, Sociedade Anônima” (Luís Sérgio Person, 1965). 

Em 1965, Beato fotografou seu primeiro filme, o curta-metragem “O Circo”, de Arnaldo Jabor. Seu primeiro longa é “Cara a Cara” (Julio Bressane, 1967), com o qual recebeu o prêmio de melhor fotografia no Festival de Brasília. 

Pela fotografia em cores de “O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro” (Glauber Rocha, 1969) recebe reconhecimento internacional e decidi ir morar nos Estados Unidos, onde constrói uma sólida carreira, hoje contando com cerca de 50 longas, 60 curtas e 300 comerciais.

Em sua carreira, foi responsável pela fotografia de filmes como “A Rainha”, de Stephen Frears, e “O Amor nos Tempos do Cólera”, de Mike Newell, além de ser um colaborador frequente do diretor espanhol Pedro Almodovar (“Tudo Sobre mInha Mãe”, “Carne Trêmula” e “A Flor do meu Segredo”).

No Brasil, trabalhou com cineastas como Walter Salles (“Água Negra”) e Gustavo Dahl (“O Bravo Guerreiro). Com o diretor brasileiro Jayme Bonjardim fez o seu primeiro projeto para a Televisão com a série “Maysa”, transmitida pela Rede Globo em 2009, e depois repetiu a parceria com “O Tempo e o Vento”, lançado em 2013, seu último projeto feito no Brasil.