Home Política PDT fechará questão sobre admissibilidade de denúncia contra Temer

PDT fechará questão sobre admissibilidade de denúncia contra Temer

PDT fechará questão sobre admissibilidade de denúncia contra Temer

Na próxima terça-feira (11), deputados do PDT irão se reunir para discutir e fechar questão pela admissibilidade da denúncia de corrupção passiva contra o presidente Michel Temer, protocolada no Supremo Tribunal Federal pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

O líder da legenda na Câmara, o deputado federal Weverton Rocha (PDT-MA), informou que a bancada e o partido serão reunidos para fechar questão. “Vamos votar pelo recebimento [da denúncia]”, informou.

O partido fechou questão contra as reformas da Previdência e trabalhista, em março deste ano. Deputados que eventualmente contrariem a orientação partidária poderão sofrer sanções, como a exclusão da sigla.

Weverton Rocha, líder do PDT na Câmara (Foto: Antonio Cruz / Agência Brasil)
Weverton Rocha, líder do PDT na Câmara (Foto: Antonio Cruz / Agência Brasil)

RELEMBRE

A acusação de corrupção passiva, protocolada pela PGR, está baseada nas investigações iniciadas a partir do acordo de delação premiada da JBS. O áudio da conversa gravada pelo empresário Joesley Batista, um dos donos da empresa, com o presidente, em março, no Palácio do Jaburu, também é uma das provas usadas no processo. Procurado pela reportagem, o Palácio do Planalto ainda não se manifestou sobre a denúncia.

O ex-deputado federal Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) também foi denunciado pelo procurador pelo mesmo crime. Loures foi preso no dia 3 de junho por determinação do ministro Edson Fachin. Em abril, Loures foi flagrado recebendo uma mala contendo R$ 500 mil, que teria sido enviada pelo empresário Joesley Batista, dono da JBS.

Para o procurador, Temer usou Rocha Loures para receber vantagens indevidas.

“Entre os meses de março a abril de 2017, com vontade livre e consciente, o Presidente da República Michel Miguel Temer Lulia, valendo-se de sua condição de chefe do Poder Executivo e liderança política nacional, recebeu para si, em unidade de desígnios e por intermédio de Rodrigo Santos da Rocha Loures, vantagem indevida de R$ 500.000 ofertada por Joesley Batista, presidente da sociedade empresária J&F Investimentos S.A., cujo pagamento foi realizado pelo executivo da J&F Ricardo Saud”, diz a denúncia apresentada por Janot.

Da redação, com informações da Agência Brasil