Home Maranhão São Luís Carreta de combate à hanseníase chega a São Luís

Carreta de combate à hanseníase chega a São Luís

A partir da próxima segunda-feira (19), chega a São Luís a Carreta da Saúde Novartis, que está oferecendo em diversos municípios do Maranhão consultas e exames gratuitos, além de tirar dúvidas sobre os métodos de prevenção e controle da hanseníase. A carreta fica na capital maranhense até o dia 20 deste mês.

O primeiro destino da ação foi São José de Ribamar (12 e 13 de junho), seguido por Paço do Lumiar (14) e Raposa (16). Depois, os serviços à população seguem para quase 50 cidades do interior do estado, sendo elas Paulino Neves, Brejo, Arari, Presidente Vargas, Pirapemas, São Mateus do Maranhão, Alto Alegre do Maranhão, Parnarama, São Francisco do Maranhão, Timon, Aldeias Altas, Lago Verde, Conceição do Lago Açú, São Luís Gonzaga, Igarapé do Meio, Governador Newton Belo, Pindaré-Mirim, Bela Vista do Maranhão, Araguanã, Santa Luzia do Paruá, Junco do Maranhão, Candido Mendes, Carutapera, Guimarães, Mirinzal, Santa Helena, Pinheiro, Presidente Sarney, Pedro do Rosário, Peri-Mirim, Viana, Lagoa Grande do Maranhão, Lago da Pedra, Trizidela do Vale, São José dos Basílios, Santo Antônio dos Lopes, Dom Pedro, Buriti Bravo, Balsas, Arame, Bom Jesus das Selvas,  Itinga do Maranhão, Sítio Novo, Amarante do Maranhão, Senador Laroque e Imperatriz.

O Brasil está em segundo lugar no ranking de países com novos casos de hanseníase, segundo dados da Organização Mundial da Saúde. A doença, que deveria estar erradicada, registra entre 25 a 30 mil novos casos/ano no país. De acordo com levantamento do Ministério da Saúde, o Maranhão é o terceiro estado do país com mais casos de hanseníase.

Desde 2009, a Novartis possui a Carreta de Saúde, um caminhão itinerante, com cinco consultórios e um laboratório, que percorre todo o Brasil no combate à hanseníase. Atua em parceria com o Ministério da Saúde, com apoio do CONASS (Conselho Nacional de Secretários de Saúde) e do CONASEMS (Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde) visando a erradicação desta doença até o ano de 2020. Os tratamentos medicamentosos para a hanseníase também são doados pela Novartis à Organização Mundial da Saúde.