Foi crime premeditado, diz delegado sobre morte de agente

O delegado Cristiano Murita, responsável pela investigação da morte da agente penitenciária Clodiany Carvalho Garcia, afirmou em entrevista à Tv Difusora de Bacabal nessa segunda-feira (12) que o crime foi premeditado. Segundo o delegado, as brigas entre o casal eram constantes e com o grau de violência muito maior.

“Ainda estamos investigando, mas possivelmente o casal já estavam com problemas há algum tempo. Quando eles vieram para Barreirinhas, a gente trabalha com a possibilidade dele já está com isso em mente’, disse o delegado.

Confira o áudio:

O marido da vítima, o tenente- coronel Miguel Gomes Neto já possuía histórico de agressão. Em janeiro do ano passado, ele teria ameaçado o cabo da PM Ney Fernandes Bandeira.

O cabo teria supostamente incitado policiais a não dirigirem as viaturas sob a alegação de que não eram classificados na função de motorista e que não teriam curso para a condução.

No gabinete do comandante, o cabo compareceu na presença de um advogado e também do presidente da Associação dos Praças de Bacabal. O comandante afirmou que seria uma conversa informal e que não havia necessidade da presença de um defensor. O cabo teria começado a filmar o tenente-coronel, que ao solicitar a interrupção da filmagem, teria feito menção de empunhar um das pistolas que portava. De imediato, o comandante reagiu empunhando a própria pistola. Nenhum dos dois se feriu.

Clodiany foi velada na tarde desta segunda-feira (12), na casa da mãe, localizada no bairro São Francisco.