Home Notícias Mundo Travessia no Mar Mediterrâneo mata mais de 200 crianças

Travessia no Mar Mediterrâneo mata mais de 200 crianças

Travessia no Mar Mediterrâneo mata mais de 200 crianças

Pelo menos 200 crianças foram mortas cruzando o Mar Mediterrâneo – do Norte da África à costa italiana – desde o começo do ano. Em média, mais de uma criança por dia, de acordo com as estimativas do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

Durante a cúpula do G7, na Itália, no final de maio, o UNICEF pediu aos líderes das sete maiores potências industrializadas para adotarem seu plano de ação para proteção de crianças migrantes e refugiadas.

Os seis pontos principais do plano envolvem: (1) proteção contra a exploração e violência para crianças refugiadas desacompanhas; (2) fim da detenção de crianças que solicitam refúgio ou migração; (3) acesso a saúde e à educação; (4) manter famílias unidas da melhor maneira para proteção dos menores; (5) pressionar por ação em relação às causas dos deslocamentos em larga escala; e (6) promover medidas de combate à xenofobia, discriminação e marginalização.

Cerca de 36 mil das pessoas em trânsito resgatadas desde janeiro de 2017 foram levadas para a Sicília, sede da reunião deste ano. O primeiro-ministro italiano, Paolo Gentiloni, que presidiu o evento, fez da migração uma prioridade nos diálogos.

“A Sicília permanece como um símbolo de esperança para crianças desenraizadas em busca de uma vida melhor, mas também é o destino final de uma jornada extremamente perigosa que tirou a vida de tantas crianças durante o percurso”, disse o vice-diretor-executivo do UNICEF, Justin Forsyth.

De 1º de janeiro a 23 de maio, mais de 45 mil refugiados e migrantes chegaram à Itália pelo mar, um aumento de 44% se comparado ao mesmo período no ano passado. Isso inclui 5.500 crianças desacompanhadas e separadas da família, número 22% maior em relação a 2016 – sendo um total de 92% das crianças chegando ao país através da rota do Mediterrâneo Central.

No ano passado, o recorde de 26 mil crianças desacompanhadas chegaram ao território italiano. Mas, se as tendências se mantiverem, esse número será facilmente ultrapassado em 2017.

“Esse não é um recorde para se orgulhar, mas uma lembrança da nossa falha coletiva em garantir segurança e bem-estar às crianças migrantes e refugiadas”, afirmou Forsyth.

Durante a cúpula do G7, crianças, voluntários, a guarda costeira italiana e oficias do governo e do UNICEF na Itália participaram de um resgate simbólico de barcos de papéis para homenagear as milhares de crianças que arriscaram suas vidas cruzando o Mar Mediterrâneo. Eles mandaram uma mensagem ao G7 para que tomem medidas para proteção desse segmento da população.

ONU Brasil