Home Maranhão Imperatriz Empresa de limpeza pública demite 500 funcionários de uma vez

Empresa de limpeza pública demite 500 funcionários de uma vez

Empresa de limpeza pública demite 500 funcionários de uma vez

Após quatro dias sem coleta seletiva de lixo em Imperatriz, o lixo se acumula em alguns pontos da cidade, causando desconforto em quem passa pelas vias, e incomodando pelo mal cheio.

Neste domingo, a prefeitura realocou funcionários de serviços gerais para que a limpeza pública fosse feita em alguns setores da cidade, para viabilizar as atividades cotidianas do município.

O acúmulo de lixo se deu porque a Brasmar, empresa que presta serviço em limpeza pública para Imperatriz, teve seu contato com a prefeitura encerrado na última sexta – feira (26), devido ao final da vigência do tempo previsto na contratação.

A Brasmar alega que não tem dinheiro para honrar com as rescisões dos cerca de 500 funcionários que foram demitidos com o fim da do contrato, e pede a prorrogação do contato pelo executivo municipal.

Para pressionar a Prefeitura, os trabalhadores da empresa de limpeza pública fecharam a BR 010 em um protesto no último sábado (27), pedindo que o contrato com a empresa fosse prorrogado.

A direção do protesto também publicou um vídeo  nas redes sociais, onde os trabalhadores da limpeza urbana culpam o prefeito de Imperatriz, pela perda de seus empregos e o acusam de descumprir uma determinação do Ministério público, que recomenda que a gestão prorrogue o contrato por mais 90 dias.

Eles também pedem que a Prefeitura liquide suas dívidas com a Brasmar para que esta pudesse pagar aos funcionários as devidas rescisões.

No entanto, Assis Ramos afirma que a Prefeitura não tem qualquer dívida com a empresa, e por isso não há justificativa para não pagarem a rescisão dos funcionários; Assis também desmente, o que ele chama de boato, que seria a informação de que o Ministério Público tenha dado um prazo para que a prefeitura prorrogasse o contrato da Brasmar. Conforme o gestor, não há a possibilidade de prorrogação do contrato com a empresa, pois “este não cabe mais aditivo”.

“O Ministério Público nunca recomendou que a gestão aumentasse a vigência do contrato com a Brasmar. Nós não temos qualquer débito com a empresa, todas as nossas fátuas com ela foram pagas, tanto é que o salário dos trabalhadores da empresa não está atrasado.” Reitera o prefeito.

Segundo ele, foi recomendada à nova empresa que ganhou a concorrência, que os profissionais da Brasmar sejam absolvidos pela nova empresa.