Home Política “Não cabe ao TSE resolver crise política”, diz Gilmar Mendes

“Não cabe ao TSE resolver crise política”, diz Gilmar Mendes

Em meio à crise política que envolve o presidente Michel Temer a partir da delação do empresário Joesley Batista, o presidente do TSE, ministro Gilmar Mendes, reagiu na manhã desta segunda-feira às especulações de que algum dos ministros da corte poderia pedir vistas do processo de julgamento da chapa Dilma-Temer, previsto para começar na terça-feira da próxima semana.

“(O TSE) não é joguete de ninguém”, disse Mendes, em entrevista após participar de uma palestra em São Paulo.

“Também não cabe ao TSE resolver crise política, isso é bom que se diga.”

Temer está sob pressão desde a notícia da gravação de uma conversa entre Temer e Joesley, no âmbito da delação do empresário. Com a negação enfática do presidente de que vá renunciar, políticos esperam o julgamento que pode cassar a chapa para decidir os próximos passos.

“Tribunal não é instrumento para solução de crise política, o julgamento será jurídico e judicial, então não venham para o tribunal dizer: ‘Ah, vocês devem resolver uma crise que nós criamos. Resolvam suas crises'”, acrescentou.

O ministro afirmou que há “muita especulação” na mídia em torno de um eventual pedido de vista de algum integrante do TSE. Notícias publicadas nos últimos dias atribuem, reservadamente, essa possibilidade a interlocutores de Temer. Mendes, contudo, ponderou: “Se houver pedido de vista, é algo absolutamente normal, ninguém fará por combinação com este ou aquele intuito”.

O presidente do TSE afirmou ter “certeza” de que o julgamento, que poderá cassar o mandato de Temer, vai ser “tranquilo” e “complexo”. Ele citou o fato de que só o relatório do ministro Herman Benjamin, relator do processo, tem mais de mil páginas, o que, destacou, “exige de todos um grande esforço”.

Reuters Brasil