Home Política Agressor da própria mãe deve manter distância de 1 km da vítima

Agressor da própria mãe deve manter distância de 1 km da vítima

Agressor da própria mãe deve manter distância de 1 km da vítima

Nesta sexta-feira (26), o caso de Roberto Elísio Coutinho de Freitas, foi analisado pela Justiça e o caso chega a uma resolução. A Juíza Oriana Gomes, titular da 8ª Vara Criminal da capital (unidade judicial competente para julgar ações que envolvem idosos), decretou a prisão preventiva de Roberto Elísio, acusado de agredir física e psicologicamente sua mãe, de 80 anos de idade. A magistrada também determinou o afastamento do acusado do lar e determinou que ele mantenha distância mínima da idosa de 1.000 metros.

A juíza assinala que a medida, apesar de extrema, se faz necessária “para que a idosa volte a ter sua tranquilidade restaurada”, e também para que ele não venha a dificultar as diligências, com vistas a esclarecer os fatos delituosos. A decisão da magistrada atende representação da Delegacia de Proteção ao Idoso, que pugnou pela prisão preventiva do acusado e por medidas protetivas, visando à proibição de aproximação e de manter contato com a ofendida e com pessoas que moram com ela, por qualquer meio de comunicação, com vistas a preservar sua integridade física, moral e psicológica.

No inquérito consta que o neto da idosa e filho do acusado, Roberto Elízio Coutinho de Freitas Filho, confirma a vítima, portadora de Alzheimer, vem sofrendo maus tratos do seu pai, “que a agride tanto verbalmente como fisicamente”. Ele diz que o acusado puxa a vítima pelo braço, “dando-lhe empurrões e comida à força”, além de ameaçá-la de internação.

Conheça o caso

Roberto Elísio foi detido pela polícia na manhã de hoje (26), após a divulgação de vídeos que mostravam ele agredindo a mãe. As imagens viralizaram nas redes sociais, na capital, revoltando populares e entidades que defendem o idoso. Nas imagens a mãe pede que não seja internada, enquanto Roberto diz que ela está “insuportável” e a agride com tapas e um pedaço de ferro. “Ou tu fica calada, ou tu vai internada. (…) Ninguém te aguenta”, diz o homem.

Diante da repercussão, Roberto admitiu que estava errado mas alegou que tem esquizofrenia e por isso teria cometido as agressões. Ele informou que não teria as atitudes se estivesse em estado normal.

Leia também

Psicanalista diz que vídeo não é suficiente para diagnosticar agressor

“Esse vídeo é apenas uma mostra do que acontece em muitos lares”, diz delegada