HomeMaranhãoImperatriz Corpo de jovem que não foi registrado no IML deve ser exumado

Corpo de jovem que não foi registrado no IML deve ser exumado

Corpo de jovem que não foi registrado no IML deve ser exumado

A Delegacia Regional de Segurança de Imperatriz solicitou a exumação do corpo de Bruno Hurlley da Sila (20 anos), com base no fato de a delegacia especializada em homicídios da cidade não ter sido notificada sobre o crime, o que a impossibilita de investigar o caso. Também não há registros da entrada de Bruno no Instituto Médico Legal (IML) do município, mesmo este sendo vítima de disparos de arma de fogo.

Conforme a família, Bruno foi conduzido ao Hospital Municipal de Imperatriz (Socorrão), em estado grave, onde ele teria sido submetido a uma cirurgia para a retirada de balas, que o teriam atingido, na noite na última quarta-feira (26).

No entanto, mesmo com a cirurgia, ele não resistiu e veio à óbito na tarde da quinta-feira (27). Logo após o óbito, o corpo foi liberado pelo hospital, direto para a família, que o velou nos dois dias subsequentes.

Segundo o delegado regional de Imperatriz, Eduardo Galvão, o relatório emitido pelo IML é imprescindível para a resolução de crimes, visto que eles trazem informações como o calibre da bala, a espessura, entre outras coisas, que ajudarão a determinar de qual a arma foi feito o disparo, e posteriormente quem o efetuou.

De acordo com informações, Bruno teria sido alvejado com vários tiros, por dois homens em uma moto. O crime aconteceu no bairro Vila Fiquene, periferia de Imperatriz. Ainda conforme as informações, Bruno teria sido morto por engano, por se parecer com um rapaz conhecido como “Banguelo”, e por estar na companhia do mesmo, na hora do crime.

A Delegacia Regional está aguardando a decisão judicial sobre o caso, mas a expectativa é que a exumação aconteça na próxima semana.

O HMI, afirma que abriu uma sindicância para investigar o caso e punir os possíveis responsáveis, além de reiterar que está à disposição da justiça para esclarecimentos.