Home Maranhão Porto do Itaqui deve iniciar exportação de carnes no segundo semestre

Porto do Itaqui deve iniciar exportação de carnes no segundo semestre

Porto do Itaqui deve iniciar exportação de carnes no segundo semestre

O porto do Itaqui, em São Luís, deve iniciar no segundo semestre deste ano as operações com contêineres. A implementação da medida abrirá caminho para que o Maranhão se torne mais uma opção de saída para a carne brasileira exportada para o mercado internacional.

O Maranhão tem hoje o segundo maior rebanho bovino do Nordeste – com uma média de 7,6 milhões de cabeças. O número apresenta um bom caminho para a exportação de proteína no estado, que atualmente conta apenas com duas unidades de abate de bovinos.

INVESTIMENTOS

Cerca de R$ 30 milhões foram investidos para que a estrutura fosse adequada à movimentação de contêineres simples e os chamados “reefers” – refrigerados e voltados a alimentos perecíveis. Entre os anos de 2014 e 2016 o porto registrou aumento de cem vezes no lucro líquido, que passou para R$ 400 milhões. Com a chegada do Tegram – Terminal de Grãos do Maranhão – o porto também cresceu em grãos.

Entre as mudanças estão a extensão do ramal ferrovário, operado pela VLI, ampliação do pátio para contêineres e a instalação de centenas de tomadas, para que os alimentos possam ser refrigerados. Para isso, uma readequação geral da rede elétrica precisou ser feita em todo o porto.

Outro fator importante que pesa a favor das novas medidas é a vacinação que deu ao gado maranhense o status de livre da febre aftosa.

A nova aposta no setor de proteína animal deverá dar peso ao número de exportações do porto nos próximos meses.

O anúncio das novas operações foi realizado ontem (04), quando o presidente da Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap), Ted Lago, anunciou, em São Paulo, que o porto se prepara para ser o principal ponto de escoamento da carne brasileira processada da região. Centro-Norte do Brasil para o exterior.

Os novos investimentos no porto deverão beneficiar também pecuaristas do Maranhão, além de atrair frigoríficos para o estado.