HomeMaranhão Após casos de estupro, UFMA ganha posto da PM na Cidade Universitária

Após casos de estupro, UFMA ganha posto da PM na Cidade Universitária

Após casos de estupro, UFMA ganha posto da PM na Cidade Universitária

Na manhã desta terça-feira (4) o Conselho de Segurança da Universidade Federal do Maranhão, em reunião extraordinária com o comando do 1º Batalhão da Polícia Militar do Maranhão (PM-MA), anunciou medidas enérgicas para dar continuidade à melhoria da segurança na universidade. Entre elas, a instalação imediata de um posto avançado da Polícia Militar na Cidade Universitária e o reforço de rondas ostensivas. A reunião aconteceu após duas estudantes sofrerem estupro no campus da UFMA em um espaço de apenas quatro dias.

O Centro de Convenções terá uma de suas salas destinada para a instalação da base da PM. Equipes da prefeitura do câmpus também iniciaram a troca de mais de 100 luminárias. A UFMA implantará projetos de conscientização e políticas públicas voltadas para a proteção da mulher nas dependências da universidade.

As ações intensivas, que vinham sendo realizadas desde o ano passado, passam a ser incrementadas como enfrentamento ao crime de violência sexual de que foi vítima uma estudante universitária na noite da segunda-feira, 3, nas dependências da instituição. A universidade está oferecendo todo o auxílio e acompanhamento à estudante e à família. As imagens do sistema de videomonitoramento já estão em poder da PM-MA para a sequência das investigações. O sistema de segurança da universidade, composto por 172 câmeras de ponta, com rotação em 360º e zoom em até 32x. As gravações das câmeras de videomonitoramento funcionam 24 horas por dia e ficam armazenadas por até 30 dias.

O tenente-coronel Edvaldo Mesquita reafirmou que já existe a determinação do comandante-geral da Polícia Militar, José Frederico Pereira, para a instalação imediata de um posto da PM-MA no Câmpus do Bacanga. A reitora Nair Portela reiterou a disponibilidade de uma sala no Centro de Convenções para o funcionamento do posto avançado. A iniciativa faz parte de um plano de segurança para a área do Itaqui-Bacanga, composta por seis postos e efetivo de mais de 200 oficiais para a região.

“É extremamente lamentável a violência contra a mulher e contra pessoas que fazem parte desta universidade. Hoje já realizamos policiamento ostensivo e apoio a grandes eventos, mas esperamos, o mais breve possível, colocar um efetivo exclusivo para o monitoramento da UFMA, com pessoas capacitadas para o diálogo com os alunos”, disse Mesquita.

Mesmo com o Decreto 8.540/2015, que obrigou o corte de 20% dos recursos destinados aos contratos de serviços terceirizados às universidades federais — o que causou uma grande retração na segurança dos centros universitários —, a UFMA adota firmes medidas para a melhoria da segurança no câmpus. “Todos nós somos responsáveis pelo que acontece na universidade. A polícia militar está autorizada a circular pelos prédios da UFMA, e vamos formar, com a participação de nossos pesquisadores, uma agenda de ações de políticas públicas para a mulher e de sensibilização da comunidade acadêmica para a questão. Não vamos ficar de braços cruzados nessa situação”, declarou a reitora Nair Portela.

Também presente, a secretária de Estado da Mulher, Laurinda Pinto, fez um apelo pela proteção das mulheres da Universidade Federal do Maranhão. “Temos que fazer uma plenária para debatermos esse problema. A universidade é o espaço em que temos a oportunidade de desenvolver estratégias para coibir a violência com respaldo científico, pois é aqui que são feitos estudos e pesquisas sobre políticas públicas voltadas para a mulher”, frisou.