Home Notícias Saúde Escolas mobilizam alunos no combate ao Aedes

Escolas mobilizam alunos no combate ao Aedes

Escolas mobilizam alunos no combate ao Aedes

As escolas da rede pública de ensino realizam, a partir desta segunda-feira (3/4), a Semana Saúde na Escola contra o Aedes aegypti. O foco é envolver os estudantes em atividades para identificar e eliminar os criadouros do mosquito transmissor da dengue, chikungunya e vírus da Zika. As ações serão realizadas de forma articulada entre as equipes da atenção básica e profissionais da educação. Mais de 140 mil estudantes, em 78 mil escolas de 5.570 municípios do país, estarão envolvidos nas ações de prevenção e combate ao mosquito.
A iniciativa é uma das ações de mobilização que integra o Programa Saúde na Escola (PSE). Todos os anos, profissionais da saúde e educação trazem para o trabalho no ambiente escolar um tema em destaque no país. Desde 2015 a participação dos municípios na Semana Saúde na Escola é voluntária, não sendo necessário fazer a adesão.

As atividades abrangem desde a educação infantil à educação de jovens e adultos. A proposta é mobilizar as equipes das escolas, unidades de saúde, familiares e toda a comunidade na adoção de práticas sanitárias e saudáveis que mantenham os ambientes escolar e residencial, sempre limpos e seguros. O objetivo é eliminar qualquer foco que possa servir como criadouro para larvas do mosquito.

A meta é que toda informação obtida na escola seja compartilhada com a comunidade, orientando a população sobre como agir no combate ao Aedes aegypti. “A mobilização é fundamental para redução das doenças provocadas pelo Aedes. Além de desconfortos, podem provocar mortes. Por isso, é preciso uma ação conjunta, envolvimento de todos, da sociedade civil e de governos no combate ao mosquito”, enfatizou o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

Desde o segundo semestre de 2015, com o decreto de emergência em saúde pública devido à circulação do vírus Zika e sua associação com os casos de malformações neurológicas, o governo vem intensificando as ações educativas e informativas entre a população, inclusive no ambiente escolar.

SAÚDE NA ESCOLA – Criado em 2007 pelo governo federal, o Programa Saúde na Escola surgiu como uma política intersetorial entre os ministérios da Saúde e da Educação, com o objetivo de promover qualidade de vida aos estudantes da rede pública de ensino por meio de ações de prevenção, promoção e atenção à saúde.

“O ambiente escolar produz resultados, não só imediatos, mas para a vida toda, na medida em que trabalhamos na educação da criança que, quando conscientizada, consegue envolver toda a família”, explica Michele Lessa, coordenadora-geral de Alimentação e Nutrição do Ministério da Saúde.

O Programa tem como objetivo a integração e articulação intersetorial das redes públicas de ensino, por meio de ações entre o Sistema Único de Saúde (SUS) e redes de educação pública. A iniciativa prevê ações para acompanhar as condições de saúde dos estudantes por meio de avaliações e orientação, fortalecendo o enfrentamento das vulnerabilidades que possam comprometer o pleno desenvolvimento escolar.

DENGUE, ZIKA E CHIKUNGUNYA – O conjunto de ações adotadas pelo Governo Federal, voltadas para a eliminação do mosquito, resultou na queda expressiva nos casos de dengue, Zika e chikungunya. Em 2017, até 25 de março, foram notificados 90.281 casos prováveis de dengue em todo o país, uma redução de 90% em relação ao mesmo período de 2016 (947.130). Também houve queda expressiva no número de óbitos. A redução foi de 97%, passando de 411 em 2016 para 11 em 2017.

Em relação à chikungunya, a redução do número de casos foi de 73%. Até 11 de março, foram registrados 26.856 casos da febre, o que representa uma taxa de incidência de 13,0 casos para cada 100 mil habitantes. No ano passado, foram registrados 101.633 casos neste mesmo período.

Também até 25 de março, o Ministério da Saúde registrou 4.894 casos de Zika em todo o país. Uma redução de 97% em relação a 2016 (142.664 casos). A incidência passou de 69,2 em 2016 para 2,4 neste ano. A análise da taxa de casos prováveis mostra uma baixa incidência em todas as regiões geográficas até o momento. Em relação às gestantes, foram registrados 727 casos prováveis. Não houve registro de óbitos por Zika em 2017