Home Maranhão São Luís Ministério Público irá apurar causas do desabamento em escola

Ministério Público irá apurar causas do desabamento em escola

Ministério Público irá apurar causas do desabamento em escola

O Ministério Público do Estado do Maranhão (MPMA), por meio da Promotoria de Justiça Especializada na Defesa da Educação, irá instaurar um procedimento para apurar as circunstâncias do desabamento de parte do telhado da Unidade de Educação Básica (UEB) Darcy Ribeiro. A  Prefeitura de São Luís, por meio da Secretaria Municipal de Educação (Semed), será convocada para prestar esclarecimentos a respeito das obras de manutenção de urgência na unidade, que não foram realizadas apesar de estar acertado entre a Semed e o MP.

Durante vistoria na escola realizada na manhã de ontem (28), o promotor de Justiça Especializada na Defesa da Educação, Paulo Avelar, esteve na escola junto com as equipes e confirmou a investigação que será aberta para apurar as causas do desabamento.

De acordo com a Semed, o teto desabou em função das fortes chuvas registradas na tarde de segunda-feira.

ENTENDA O CASO

A queda do telhado de uma sala da Unidade de Educação Básica Darcy Ribeiro  ocasionou a internação de uma professora e duas alunas. Vários alunos ficaram com ferimentos leves. A mesma escola já havia sido  incendiada por vândalos no período eleitoral do ano passado, onde duas salas ficaram completamente destruídas.

Na época, a ação aconteceu de madrugada quando somente um vigia estava no local e nenhuma pessoa ficou ferida.

Na manhã de ontem (28), uma equipe da Secretaria Municipal de Educação, SEMED esteve no local e realizou vistoria quando foi descartada a hipótese de que o acidente de ontem tenha relação com o incêndio.

Dilson Jacó, engenheiro da SEMED

De acordo com Dilson Jacó, engenheiro da SEMED, o laudo da Defesa Civil Municipal ainda não foi divulgado, mas pelo que foi avaliado por ele, o desabamento foi causado por uma fadiga na madeira que sustenta o telhado. Esta fadiga pode ter sido causada por infiltração. Além disso, o incêndio aconteceu em outra área da escola que fica distante de onde o desabamento aconteceu.

Apesar do incêndio ter acontecido há cerca de cinco meses, segundo as alunas Tainara Serra, de 12 anos, e Emanuele Alves, de 11 anos, que cursam o 6° ano na UEB Darcy Ribeiro, na sala onde o teto desabou, a escola nunca foi reformada e as salas permanecem fechadas.

A informação foi confirmada pelo engenheiro Dilson Jacó, que informou que, após conclusão da avaliação, as três salas (a que o teto desabou e as que foram incendiadas) serão reformadas.

Ainda de acordo com ele, caso seja necessário, todo o restante da estrutura passará por reparos.

Tanto Tainara quanto Emanuele estavam na sala quando o acidente aconteceu. Elas ficaram com ferimentos leves e contaram detalhes do incidente àreportagem do MA10.

 

Tainara Serra, de 11 anos, aluna do 6° ano da UEB Darcy Ribeiro

Segundo Tainara as madeiras começaram a estalar e os alunos alertaram os profissionais da escola que teriam dito que estava tudo bem. Como o barulho aumentou, eles começaram a sair da sala até que a estrutura do telhado cedeu completamente e caiu atingindo muitos alunos.

De acordo com Emanuele Alves, de 11 anos, os alunos que conseguiram sair antes da queda total ajudaram os outros alunos a saírem dos escombros.

A professora e as duas alunas que mais foram atingidas ainda estão internadas no Hospital Djalma Marques, o Socorrão 1 e, de acordo com o laudo médico, passam bem.

As alunas denunciaram ainda mais irregularidades da escola. Segundo elas, há infiltração e goteiras em quase todas as salas. Emanuele contou que eles dividiam o espaço com baldes que eram colocados embaixo das goteiras.

Além disso, Tainara afirmou que a merenda escolar não é servida em muitos dias. Segundo a aluna, na maioria das vezes o lanche é só banana ou biscoito, e eles ficam com fome.

Outro problema relatado pelas duas foi o banheiro. De acordo com elas, o banheiro tem problemas estruturais graves e os vasos sanitários estão entupidos há anos e nunca são limpos. Elas denunciaram que há muitas fezes no banheiro e que para urinar precisam ir à uma sala que chamaram de “dos especiais”.

A Semed, desde ontem (27) informou que um prédio deve ser alugado para acolher os alunos da UEB Darcy Ribeiro.

Segundo Emanuele, só o que elas querem é uma escola digna para estudar.

Corredor que dá acesso à sala onde teto desabou, foi interditado

 

Equipe da SEMED vistoriando UEB Darcy Ribeiro
Ferimentos leves nos braços das alunas Tainara e Emanuele.

LEIA MAIS:

Escola onde teto desabou passa por vistoria do Ministério Público

Prefeitura atribui desabamento de teto de escola a ‘fortes chuvas’