Home Maranhão Imperatriz Justiça faz reconstituição do caso Elizelda de Paula em Imperatriz

Justiça faz reconstituição do caso Elizelda de Paula em Imperatriz

Justiça faz reconstituição do caso Elizelda de Paula em Imperatriz

À pedido do Ministério Público, acontece nesta sexta – feira (24), a reconstituição do crime que vitimou a bancária Elizelda de Paula (29 anos), que morreu com um tiro na cabeça supostamente disparado pelo ex – marido, Clodoaldo Alves (26 anos).

O promotor de justiça responsável pelo caso, Carlos Róstão, ressalta que a reconstituição visa esclarecer o que realmente teria acontecido no dia do crime.

Segundo ele o acusado mantém a versão de que o tiro foi acidental, o que vai contra o apurado durante a investigação. Carlos Róstão também afirmou que a reconstituição visa dar maiores elementos de acusação o julgamento, facilitando a ida do réu a júri popular.

“Nós queremos dar ao acusado a oportunidade de demonstrar o que ele alega, pois o apesar de a perícia ter encontrado indícios de crime, o fato de não haverem testemunhas oculares na hora do crime, deixa em aberto a tese dele, que afirma que o disparo foi acidental. A reconstituição dará maiores elementos para aqueles que vão analisar de forma técnica o crime, garantindo que haja um parecer justo no julgamento,” explica o Promotor.

Clodoaldo está preso na Unidade Prisional de Ressocialização de Imperatriz (UPRI), onde aguarda a decisão da justiça.

Por lei, o acusado não é obrigado a participar da reconstituição, no entanto, ele pode escolher participar desta se sua defesa entender que de alguma forma sua participação será benéfica durante o julgamento.

Entenda o caso:

Na manhã do dia 26 de dezembro de 2016, a bancária Elizelda Vieira de Paula Alves foi morta a tiros em um hotel da cidade de Imperatriz. O Acusado pelo homicídio é o seu ex-marido Clodoaldo Alves.

De acordo com o delegado regional de Imperatriz Eduardo Galvão, responsável pelas investigações preliminares, Elizelda esteve na recepção do hotel e pediu para falar com o marido, de quem já estava separada há alguns dias. Os recepcionistas pediram que ela subisse até o quarto dele.

Minutos depois funcionários afirmam ter ouvido um estampido, no entanto em um primeiro momento não acreditaram que fosse um disparo de arma de fogo. Em seguida, o suspeito desceu aparentando tranquilidade, foi até a recepção e deixou o local sem esboçar reação que o denunciasse.

“Ele desceu muito tranquilo até a recepção, informou ao pessoal que ela (ex-mulher) estava quebrando tudo no quarto. Eles (funcionários) subiram às pressas e quando chegaram ao local a encontraram ainda arquejando, ainda com vida. Acionaram a polícia e o SAMU, mas, quando o socorro chegou, ela já havia entrado em óbito” afirmou o delegado.

Ainda de acordo com as investigações, dias antes a vítima teria denunciado o ex-marido por tê-la ameaçado com uma arma. Contudo, não chegou a registrar queixa contra Clodoaldo.

Apesar disso, o fato ajudou a polícia a identificar o suspeito. A polícia também acredita que uma discussão tenha levado ao crime passional.

Elizelda deixou dois filhos pequenos.

Clodoaldo Alves, ex-marido de Elizelda. Reprodução: Redes sociais