Home Maranhão Imperatriz Trabalhadores protestam contra Reforma da Previdência

Trabalhadores protestam contra Reforma da Previdência

Trabalhadores protestam contra Reforma da Previdência

A forte chuva que caiu sobre Imperatriz no início da manhã desta quarta – feira (15), não desanimou os trabalhadores, sindicalistas e militantes que foram às ruas para protestar contra a reforma da previdência.

O ato público foi nacional e aconteceu simultaneamente em diversas cidades do país.

Em Imperatriz, a manifestação foi organizada pelo Sindicato dos Trabalhadores da Educação Pública do Maranhão (Simproesemma), em parceria com outros sindicatos, entre eles o Sindicato dos Bancários e o Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimento de Ensino de Imperatriz (Steei), além dos movimentos sociais organizados, como o MST e o Movimento de Mulheres, além de trabalhadores em geral, descontentes com a perda dos direitos.

A Manifestação teve início na Praça de Fátima e percorreu as principais ruas da cidade, expressando em discursos e palavras de ordem, a desaprovação contra a reforma da previdência, em trâmite no Congresso nacional, e contra a gestão do presidente em exercício, Michel Temer.

Produção: MA10/Imperatriz

A Reforma da previdência

A reforma da previdência, faz parte da PEC 237, que ainda em tramitação, exige que o trabalhador contribua pelo menos 25 anos ao INSS para ter acesso ao benefício e estabelece uma idade mínima de 65 anos de idade para se ter acesso à aposentadoria.

Esses fatores precisam ser combinados para ter acesso ao benefício, ou seja, quem alcançar 65 anos com menos de 25 anos de contribuição ou atingir os mesmos 25 anos de trabalho formal mas não tiver 65 anos de idade ou mais, não terá acesso à aposentadoria.

Segundo a Pec, a reforma começa a valer para homens com mais de 50 anos de idade e mulheres com idade inferior a 45 anos de idade.

Os homens de 50 anos ou mais e as mulheres com 45 ou mais de idade serão encaixados nas chamadas “regras de transição”.

Para esses casos, o governo impôs um outro cálculo para acesso ao benefício. Os trabalhadores deverão trabalhar mais 50% do tempo restante ao que faltava para se aposentar.