Home Notícias Economia Na contramão do Brasil, aumenta preço da cesta básica em São Luís

Na contramão do Brasil, aumenta preço da cesta básica em São Luís

Segundo  Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o preço da cesta básica em São Luís cresceu 0,14%, na contramão do resto do país, já que 25 capitais brasileiras reduziram os preços do conjunto de alimentos essenciais básicos. A única capital que acompanhou São Luís no aumento da cesta foi Natal, com 0,59% de aumento.

Os itens que registraram queda na maioria das cidades pesquisadas, em janeiro e fevereiro, foram feijão, carne bovina de primeira, tomate, açúcar e leite integral. O preço do óleo de soja, do café em pó e da farinha de mandioca, especialmente no Norte e Nordeste, por sua vez, teve predominância de alta.

O preço do feijão caiu em 26 das 27 capitais pesquisadas em fevereiro. O do tipo carioquinha teve alta apenas Goiânia (0,99%). Em Belém, a redução chegou a 33,62%. O preço do feijão-preto diminuiu em todas as localidades pesquisadas, com destaque para Rio de Janeiro (-10,33%), Curitiba (-9,74%) e Florianópolis (-9,41%).

Já o custo do óleo de soja subiu em 22 cidades. Os destaques foram Manaus (9,90%), Maceió (7,52%), Belém (7,31%) e Recife (6,57%). As capitais que apresentaram queda no preço do item foram Goiânia (-8,78%), Palmas (-2,37%), Porto Alegre (-1,90%), Rio de Janeiro (-1,06%) e Curitiba (-0,22%). Nos últimos 12 meses, no entanto, o óleo de soja acumula alta em 26 localidades. De acordo com o Dieese, a destinação do produto para elaboração de biocombustíveis explica a alta no preço do alimento.

Salário mínimo

O Dieese calcula o valor que o salário mínimo deveria ter para suprir despesas básicas do trabalhador com base no custo da maior cesta. Em fevereiro, o valor de referência foi o de Porto Alegre. Nesse levantamento, o salário mínimo necessário para a manutenção de uma família de quatro pessoas deveria ser de R$ 3.658,72. O valor é 3,90 vezes o mínimo atual de R$ 937. Em janeiro, o mínimo necessário era de R$ 3.811,29.