Home Polícia Travesti foi assassinado próximo a circuito oficial do Carnaval

Travesti foi assassinado próximo a circuito oficial do Carnaval

Travesti foi assassinado próximo a circuito oficial do Carnaval

Um dos homicídios registrados no período carnavalesco, ocorreu bem perto de um dos circuitos oficiais do Carnaval de 2017, o da Beira-Mar. Na tarde do domingo de Carnaval (26 de fevereiro) , Glaydson Elias Lindoso Souza, 22 anos, travesti, que tinha o nome social de Lorrane, foi executado com dois tiros( um na cabeça e outro nas nádegas) na Praça Pedro II, situada a 300 metros da Casa do Maranhão, ponto de início deste circuito, definido como um dos espaços  oficiais da folia.

O assassinato ocorrido em pleno domigo de carnaval nas imediações de um dos circuitos oficais da festa, que teve uma estratégia de segurança que contou com a participação de 368 policiais destinados para atuar nestes espaços, entrou nas estatísticas de crimes praticados contra pessoas integrantes do grupo LGBT no Estado, que conforme dados da Sociedade Maranhense de Defesa dos Direitos Humanos(SMDH).

Monitoramento deste tipo de crime feito pela SMDH, aponta a ocorrência este ano, de quatro homícidios de pessoas pertecentes a este grupo populacional no Maranhão, além do caso de Lorrane, em janeiro ocorreram assassinatos de homossexuais nas cidades de Pio XII, Chapadinha e Humberto de Campos

A reportagem do MA 10 entrou em contato por e-mail com a Secretaria de Estado da Comunicação Social e Assuntos Políticos(Secap) solicitando uma manifestação da Secretária de Segurança Pública a respeito de uma ocorrência de assassinato tão próxima de um dos circuitos oficiais do Carnaval, mas não houve retorno até o fechamento desta matéria

Em relação a vítima ter sido um travesti, houve pelo menos extraoficialmente a manifestação de um representante do governo do Estado. Thiago Viana, superintendente de Promoção e Educação em Direitos Humanos da Sedihpop(Secretaria de Participação Popular e Direitos Humanos) informou que esta semana a Sedihpop vai requerer mais detalhes sobre o caso, junto à delegacia de apura o crime.