Home Maranhão Imperatriz MP denuncia pastor e viúva acusados da morte de professor

MP denuncia pastor e viúva acusados da morte de professor

MP denuncia pastor e viúva acusados da morte de professor

O Ministério Público denunciou esta semana Roberval Serejo e Rosa Santana da Silva, acusados do assassinato do professor Raimundo da Conceição. O crime aconteceu no dia 31 de dezembro do ano passado e o corpo do professor foi encontrado por volta do meio dia, esfaqueado dentro de seu carro nas imediações do Residencial Cinco Estrelas.

Acusada de participação no assassinato do próprio marido, Rosa Santana esteve presa na Unidade de Ressocialização (UPR) de Davinópolis, até a semana passada, sendo liberada no último dia sete, após ter expirado o período de prisão provisória e não haver provas suficientes para sustentar a prisão. Roberval Serejo permanece preso.

No entanto, o promotor da 8ª promotoria criminal, Carlos Róstão, acredita que apesar de Rosa não ter sido efetivamente quem praticou o crime, ela teve participação na execução deste e por isso resolveu efetivar a denúncia, para que no decorrer do processo a participação dela no crime fique esclarecida.

“Essa não é uma fase de fazer juízos de certeza. É preciso ter indícios da culpa e eu entendo que havia indícios, porque havia um seguro de vida no nome dela, um relacionamento amoroso entre as partes acusadas e no dia do crime, houve uma intensa comunicação entre eles”, argumenta o promotor.

O inquérito policial foi concluído no início do mês de fevereiro, quando se iniciou a fase judicial. Se forem considerados réus, o promotor afirma que são altas as chances de serem levados a júri popular.

Conheça o caso

Roberval Serejo e Rosa Santana foram presos em seis de janeiro deste ano, durante uma operação da Polícia Civil, através do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e com apoio da Superintendência Estadual de Repressão ao Narcotráfico (SENARC) , batizada como “ Falso Profeta” e realizada na cidade de Imperatriz.

Conforme o delegado Jean Algarves, a prisão de Roberval Serejo foi concluída a partir de investigação onde foram analisadas as imagens de câmeras de monitoramento do local próximo à cena do crime, que deixavam claro a participação de Roberval , além disso do depoimento de uma testemunha para a qual o suspeito confessou o crime.

As investigações apontaram ainda que Roberval era pastor da igreja onde a vitima se congregava, além de manter uma relação extraconjugal com Rosa, a esposa da vítima. No interrogatório, o acusado disse que não teve motivo para cometer o crime, agiu por impulso após um suposto “apagão” elétrico.