Home Maranhão São Luís Homem entra em escola particular, passa despercebido e furta objetos

Homem entra em escola particular, passa despercebido e furta objetos

Homem entra em escola particular, passa despercebido e furta objetos

No início da noite dessa segunda-feira (13), um homem, ainda não identificado, entrou numa escola particular localizada na Avenida Jerônimo de Albuquerque, no bairro do Angelim, e furtou objetos de um funcionário. De acordo com informações da Delegacia do Bequimão (14º DP) o homem teria usado uma chave falsa para ter acesso à sala onde estavam pertences como notebook e celulares.

“Ele conseguiu entrar na escola e realizar o furto sem ser fiscalizado em qualquer momento. Poderia ter sido um criminoso mais grave”, informou o delegado Sebastião Rosa, que investiga o caso.

O MA10 teve acesso às imagens do circuito interno de videomonitoramento da escola. No vídeo é possível ver o suspeito tentando, forçadamente, abrir a porta da sala onde estavam os pertences roubados. Ele aparenta estar em uma ligação telefônica, para não atrair a atenção de outros funcionários. “Ele está claramente disfarçando para não ser notado”, afirmou o delegado.

Vestido com roupas que o fazem parecer um professor, o suspeito de ter cometido o furto não levanta suspeitas. Nas imagens, crianças pequenas correm próximas a ele. “Uma situação muito perigosa, pois ele poderia ser qualquer um”, salientou o delegado Sebastião Rosa.

De acordo com o delegado, um notebook e outros objetos pessoais foram roubados. O caso segue em investigação no 14º DP.

Veja:

Após roubar os objetos e colocá-los na bolsa, o homem sai livremente pelos corredores da escola. Um outro vídeo mostra o momento em que o suspeito sai, às pressas, correndo do estacionamento do colégio. Mais uma vez, não é parado.

O presidente do Sindicato de Proprietários de Escolas Particulares (SINEPE), Paolino Rodrigues, informou que a segurança das escolas particulares de São Luís não é padronizada.

“Essa é uma questão resolvida pela própria escola”, disse.

O delegado Sebastião Rosa informou que, nesses casos, os criminosos geralmente escolhem o período de maior fluxo de pessoas entrando e saindo da escola. “Quando há pais buscando filhos há pouca fiscalização, e é nesse momento que algumas pessoas aproveitam para entrar despercebidas”, completou.