Home Notícias Economia Cartão: vilão ou mocinho do orçamento?

Cartão: vilão ou mocinho do orçamento?

Os principais tipos de dívidas do consumidor de São Luís estão concentrados cartão de crédito. Em janeiro, chegam a 76,6%, segundo os dados da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), realizada pela Confederação Nacional do Comércio em parceria com a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Maranhão (Fecomércio). Em seguida, estão os carnês (13,4%), financiamento de carro (5,2%), financiamento de imóveis (4,9%) , crédito pessoal (4,3%) e crédito consignado (1,3%).

A coach financeira Núbia Sousa concedeu entrevista ao Bom Dia Maranhão e, entre as dicas aos consumidores, falou sobre o risco daquelas compras no cartão com primeiro pagamento dois meses após a compra. Sem perceber, o consumidor pode estar pagando altos juros nesta transação. “O cartão pode ser vilão ou mocinho. Depende do acompanhamento”, adverte.

Cartão é o maior vilão

 

A pesquisa revela, ainda, que o tempo de comprometimento das famílias com dívidas que estão a vencer é de 4,8 meses, indicando que o nível de endividamento deverá manter-se elevado pelo menos até o mês de maio na capital e que 29,5% da renda está comprometida com dívidas.

A coach alerta que, independente de crise, a educação financeira deve existir sempre. “É preciso fazer uma planilha com levantamento dos valores mensais,  prioridade para pagamentos, tentar não comprometer mais que 20% da renda com dívidas e poupar de 5 a 10%”, ensina. “Não devemos poupar apenas quando temos muito dinheiro. O importante é criar o hábito”.

Segundo Núbia, a educação financeira deve começar ainda na infância. Uma dica aos pais é que ensinem as crianças a economizarem a mesada que recebem durante o ano, para que ao final consigam comprar o brinquedo conforme o que conseguiram guardar. “Mas o presente tem que estar dentro do valor economizado, que é para a criança refletir o que consegue comprar com a economia”.