Home Notícias Educação Mais de 70% dos estudantes do MA terminaram o ensino médio sem saber ler

Mais de 70% dos estudantes do MA terminaram o ensino médio sem saber ler

Mais de 70% dos estudantes do MA terminaram o ensino médio sem saber ler

Os resultados da Prova Brasil 2015, divulgados em novembro de 2016, foram lamentáveis em todo o país. Mas nada se compara ao desempenho dos estudantes maranhenses. A situação pode ser considerada, na melhor das hipóteses, alarmante. O teste nacional da educação básica (BRASIL, 2017) avalia o aprendizado do aluno, a partir de um teste adequado para sua etapa escolar, nas áreas de leitura e interpretação de texto (Português) e matemática — disciplina ligada ao raciocínio lógico.

Em muitas salas de aulas, professores têm de lidar com as diferentes dificuldades linguísticas que seus alunos acumulam desde os primeiros anos de estudo. A dificuldade de interpretação de texto é uma das mais notórias, o que ficou evidente com o resultado da última Prova Brasil 2015 e do PISA 2016, lançados no fim do ano passado. Apesar de a política educativa no Brasil considerar “[…] a leitura é fundamental para o desenvolvimento de outras áreas do conhecimento e consequente exercício da cidadania” (Brasil, 2008, p.21), muitos estudantes das séries finais da educação básica enfrentam dificuldades quando se veem diante de testes avaliativos de linguagem, compreensão textual e escrita.

Escolas públicas e privadas do Maranhão: dados assustadores

Vamos aos números maranhenses! Segundo dados da Prova Brasil 2015, 52,21% dos alunos do 5º ano do ensino fundamental — das escolas públicas municipais, federais e estaduais e das escolas privadas — não passaram do nível 2 de proficiência em interpretação de texto em uma escala que vai do nível 0 até o nível 9. Apenas 2,33% dos estudantes que participaram da avaliação conseguiram passar do nível 7, e 0,15% alcançaram a nota máxima.

Entre os alunos do 9º ano do ensino fundamental, a situação ainda foi bem pior: 66,18% dos estudantes não conseguiram passar do nível 2 na avaliação de língua portuguesa, em uma escala que vai do nível 0 ao 8. Os números da avaliação da 3ª série do Ensino Médio são mais assustadores: 73,52% não passaram do nível 2 em interpretação de texto, sendo que 35,91% não conseguiram passar do nível 0 e apenas 0,03% chegaram ao nível máximo (8).

O que este último dado indica? A conclusão é simples: quase ¾ dos estudantes concluíram o ensino médio na condição de analfabetos nas salas de aula do Maranhão. Assuste-se! É hora de realmente se assustar! E mais não se trata de uma realidade apenas na escola pública. Os números envolvem todos os grupos educacionais — públicos e privados.

Quase metade dos estudantes brasileiros (44,1%) está abaixo do nível de aprendizagem considerado adequado em leitura, matemática e ciências, de acordo com os resultados do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa), divulgados em dezembro de 2016, pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Esses estudantes obtiveram uma pontuação que os coloca abaixo do nível 2, considerado adequado nas três áreas avaliadas pelo Pisa. Separadamente, 56,6% estão abaixo do nível 2 em ciências e apenas 0,02% está no nível 6, o máximo da avaliação. Em leitura, 50,99% estão abaixo do nível 2 e 0,14% estão no nível máximo; em matemática, 70,25% estão abaixo do adequado, contra 0,13% no maior nível. Isso significa que esses estudantes não conseguem reconhecer a ideia principal em um texto ou relacioná-lo com conhecimentos próprios, não conseguem interpretar dados e identificar a questão abordada em um projeto experimental simples ou interpretar fórmulas matemáticas (AGÊNCIA BRASIL, 2017).

Acreditamos que não se trata da falta de atividades de leituras ou exercícios ou mesmo de políticas educativas em relação à leitura. Nas últimas décadas, campanhas e projetos educativos, dentro e fora das escolas, têm apostado na construção de um país de leitores e uma gradual melhora tem sido indicada por pesquisas recentes, mas os números ainda são desafiadores. Conforme dados da quarta edição da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, realizada pelo Ibope em 2015, por encomenda do Instituto Pró-Livro, 44% da população brasileira não lê e 30% dela nunca comprou um livro. Em 2011, o número de não-leitores era de 50%, segundo o mesmo levantamento.

Fonte: Instituto Valor e Verdade

Diante destes dados alarmantes, o Instituto Valor e Verdade (IVV) vai oferecer, a partir de fevereiro, um curso gratuito para ajudar jovens estudantes a desenvolver suas capacidades de leitura. O curso será totalmente gratuito e acessível por meio de plataforma digital. Veja o vídeo sobre aqui.