Home Notícias Saúde Vigilância Sanitária fiscaliza lojas para impedir venda de Noz da Índia

Vigilância Sanitária fiscaliza lojas para impedir venda de Noz da Índia

Vigilância Sanitária fiscaliza lojas para impedir venda de Noz da Índia

A morte de uma funcionário pública após a utilização, por dois meses, do produto Noz da Índia provocou discussões em São Luís sobre o uso do remédio de emagrecimento. A venda da Noz é proibida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Sem registro, o emagrecedor nunca teve eficiência comprovada cientificamente.

Nessa quinta-feira (19), fiscais da vigilância estiveram em lojas que comercializam produtos naturais, uma delas localizada na Avenida Daniel de La Touche, na Cohama, para verificar se os estabelecimentos vendiam a noz-da-índia. A comercialização do remédio não foi constatada.

Durante a inspeção, os fiscais constataram outras irregularidades, como a venda de produtos com promessas de apresentarem ações terapêuticas, como a cura contra a gastrite, úlcera e diabetes, todos sem registro da Anvisa. Ao longo dos próximos dias, farmácias e outros estabelecimentos comerciais serão fiscalizados para que a venda da Noz seja impedida, além de outros produtos sem regulamentação.

A funcionária pública Rachel Cristina Ferreira Araújo faleceu na quinta-feira (12), após alto índice de comprometido no pâncreas e fígado, conforme apontaram os exames, que atestaram a causa da morte por chocque hipovolêmico, hemorragia digestiva, infarto mesentérico, hipertensão arterial, esteatose hepática e congestão passiva do fígado. Rachel utilizava semente nós-da-índia, às vésperas da morte, quando ela já estava internada.