HomeCultura Espetáculo “A terra chora” estreia explorando a cultura indígena

Espetáculo “A terra chora” estreia explorando a cultura indígena

Espetáculo “A terra chora” estreia explorando a cultura indígena

A relação entre o sagrado, a natureza e a vida formam o ponto de partida do espetáculo “A terra chora”, que vai ganhar os palcos maranhenses durante todo o ano de 2017. A estreia ocorre nesta quinta-feira (5), no Museu Histórico e Artístico do Maranhão (MHAM), a partir das 19 horas, com capacidade máxima para 30 pessoas.

Baseado na cultura indígena e com referências diretas à escrita do jornalista e escritor uruguaio Eduardo Galeano (falecido no dia 13 de abril de 2015), o espetáculo, uma realização do Grupo Teatrodança, encara a tarefa de expor, ao público, a relação profunda do indivíduo com a natureza e como os seres se conjugam para garantir a vida no planeta.

Surgida há alguns anos, a ideia do espetáculo foi abraçada pelo falecido escritor, que concedeu os direitos de uso de “O Livro dos Abraços”. Mas, na lentidão que o processo exigia, os direitos acabaram retirados com a morte de Galeano. Após o acolhimento do Instituto Gurdjieff, em Belo Horizonte, o projeto ganhou novo ritmo e firmou raízes, que foram se desenvolvendo até alcançar participações especiais.

Somaram-se ao projeto o cineasta e músico Ramusyo Brasil, e os musicistas João Simas e Luciano Linhares – participações decisivas para incorporar as sonoridades rítmicas que captassem, com louvor, a angústia da civilização indígena em permanente extermínio.

“A terra chora”, uma epifania das formas de vida somada aos pensamentos de Gurdjieff com a cultura indígena, tem direção assinada por Júlia Emília e, além dela, o dançarino-criador Victor Vihen na atuação.

Grupo Teatrodança

O Grupo Teatrodança foi fundado em São Luís do Maranhão, no ano de 1985. A produção inicial, Bar do Porto, enfrentou o desejo de renovar, manter a disciplina técnica e o amor pela dança. Em seguida, vieram espetáculos como “Coração Terreiro”, “Poema”, “Sete Saias e Muitos Caminhos”, “Embarcações”, “Berlim-33”, entre outras.

A partir de 1998, o coletivo artístico investiga as questões do corpo e corporeidade na cena e dialoga com a antropologia e expressividade das tradições populares em “Bicho Solto Buriti Bravo”, uma parceria com o poeta Ferreira Gullar e o compositor Zeca Baleiro. A pesquisa recebeu a Bolsa Virtuose/Minc e fez intercâmbio de processos na Universidade de Buenos Aires, Danzario Americano e Fondación Río Abierto.

Ao longo das últimas décadas, o Grupo figurou nos principais eventos culturais de São Luís e em todo o Brasil, como Aldeia Sesc-Guajajara de Artes, Mais Cultura e Turismo, Feira do Livro, Semana Maranhense de Dança, Semana do Teatro, Conexão Dança, Festival Nordestino de Teatro de Guaramiranga, Palco Giratório-SESC, entre outros.

Serviço:

O quê: estreia do espetáculo “A terra chora”;

Quando: dia 5 de janeiro de 2017;

Entrada; R$ 20.

Onde: Museu Histórico e Artístico do Maranhão (MHAM), no Centro Histórico de São Luís;

Horário: 19h;

Capacidade: 30 pessoas.

espetaculo-2-danca-contemporanea
“A terra chora” vai estreiar nesta quinta-feira (5), em São Luís. Reprodução: Divulgação/Foto: Rafael Borges